Repensar os processos e as práticas jornalísticas pela ótica da acessibilidade comunicativa

  • Marco Bonito Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA
  • Larissa Conceição dos Santos Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA
Palavras-chave: Jornalismo, Narrativas, Acessibilidade comunicativa, Direitos Humanos

Resumo

O ensaio de caráter teórico-reflexivo apresenta o panorama político-legal no Brasil relativo às Pessoas com Deficiência (PcD), especialmente a legislação que exige a obrigatoriedade da acessibilidade nas páginas web e nos serviços de radiodifusão (rádio e televisão), problematizando a questão da linguagem sob a perspectiva dos Direitos Humanos. Destaca-se a importância de uma reconfiguração nos processos e práticas jornalísticas, de maneira a conceber narrativas acessíveis que não sejam somente adaptáveis aos mais variados suportes técnicos e midiáticos, mas também compreensíveis perante a diversidade de públicos, a fim de garantir o direito universal à comunicação. Finalmente, apresentam-se alguns exemplos e desafios à formação dos jornalistas, tendo como base os preceitos da cidadania e da acessibilidade comunicativa, tão caros na atualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marco Bonito, Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA

Professor Adjunto na Universidade Federal do Pampa – UNIPAMPA. Integrante dos grupos de pesquisa Processocom (UNISINOS) e t3xto (UNIPAMPA). Doutor em Ciências da Comunicação (UNISINOS).

Larissa Conceição dos Santos, Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA

Professora Adjunta na Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA). Doutora em Ciências da Informação e da Communicação (CELSA, Université Paris-Sorbonne) e Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (ECA-USP). Pesquisadora vinculada ao Grupo de Pesquisa t3xto (UNIPAMPA) e ao Laboratoire Gripic (CELSA/Paris-Sorbonne)

Publicado
2019-07-14
Como Citar
Bonito, M., & Conceição dos Santos, L. (2019). Repensar os processos e as práticas jornalísticas pela ótica da acessibilidade comunicativa. Revista Alterjor, 20(2), 133-147. Recuperado de http://www.journals.usp.br/alterjor/article/view/155316