Youtubers indígenas no Brasil

abordagens políticas e comunicativas

  • Rose Mara Vidal de Souza UEL/UFES
  • Mônica Panis Kaseker
Palavras-chave: Ativismo midiático, Identidade Indígena, YouTube, Youtubers

Resumo

Os povos indígenas passaram a utilizar os meios de comunicação digitais como ferramentas de afirmação de suas identidades, de resistência e de posicionamento político. Este artigo apresenta uma discussão sobre o ativismo indígena no YouTube. Do ponto de vista metodológico, o estudo tem por base a pesquisa bibliográfica e exploratória. O referencial teórico perpassa por Hall, Bauman e Eagleton sobre a questão das identidades culturais e Araújo, Di Felice e Braighi  sobre os conceitos de ciberativismo, net-ativismo e midiativismo. Foram realizados um mapeamento da presença indígena no You Tube e uma análise dos canais dos  youtubers indígenas Ysani Kalapalo e Cristian Wariu. Com posicionamentos políticos e abordagens comunicativas totalmente diversas, os dois youtubers surgem como importantes influenciadores digitais no Brasil contemporâneo

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, W. F. ; FREITAS, E. C. (2012), “Quanto custa mudar o mundo?’ Análise da dimensão discursiva do ciberativismo na WikiLeaks”, Fronteiras –Estudos Midiáticos, 14 (2), pp. 110-120. DOI: 10.4013/fem.2012.142.05.BAUMAN, Zygmunt. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.
BRINGEL, B.e E. E. MUÑOZ (2010), “Dez anos de Seattle. O movimento antiglobalização e a ação coletiva transnacional”, Ciências Sociais Unisinos, 46 (1), pp. 28-36. DOI: 10.4013/csu.2010.46.1.04.
BURGESS, Jean; GREEN, Joshua. YouTube e a revolução digital: Como o maior fenômeno da cultura participativa está transformando a mídia e a sociedade. São Paulo: Aleph, 2009. 239 p. Tradução Ricardo Giassetti.
BRAIGHI, Antônio Augusto.Midiativismo em análise: contribuições de uma pesquisa de doutorado. Revista Mídia e Cotidiano.Volume 12, Número 1, abril de 2018. p.42-59.
BRAIGHI, Antônio Augusto; CÂMARA, Marco Túlio. O que é Midiativismo? Uma proposta conceitual. In: BRAIGHI, Antônio Augusto; LESSA, Cláudio; CÂMARA, Marco Túlio (orgs.). Interfaces do Midiativismo: do conceito à prática.CEFET-MG: Belo Horizonte, 2018. p. 25-42.
CANEVACCI, Massimo. Autorrepresentação: movimentar epistemologias no contexto da cultura digital e da metrópole comunicacional. Revista Novos Olhares, v. 4, n.1, p. 16-20, 2015 Disponível em: http://www.revistas.usp.br/novosolhares/article/view/102237. Acesso em: 28 abr. 2020. CASTELLS, Manuel. Comunicación y poder. Ed. Alianza Editorial, 2009. 680 pág.DI FELICE, Massimo. Net-ativismo. São Paulo: Editora Paulus, 2017.
EAGLETON, Terry. A idéia de Cultura.São Paulo: Editora Unesp, 2005.
LEMOS, Vinícius. Jovem Xavante cria canal no YouTube para combater preconceito: ‘Pensam que deixo de ser indígena por usar smartphone’. In BBC. Disponível em https://www.bbc.com/portuguese/brasil-46427800. Acesso em 11 de mar. De 2020.MIX, Miguel Rojas. El imaginario.Civilización y cultura del siglo XXI. Buenos Aires: Prometeo Libros, 2006.
VEGH, Sandor. Classifying forms of online activism: the case of cyberprotests against the World Bank. In: MCCAUGHEY, M., AYERS, M.D. (ed.). Cyberactivism:online
Publicado
2020-07-06
Como Citar
Vidal de Souza, R., & Kaseker, M. (2020). Youtubers indígenas no Brasil. Revista Alterjor, 22(2), 298-316. https://doi.org/10.11606/issn.2176-1507.v22i2p298-316