Possibilidades de atuação para as organizações no universo científico brasileiro

estudo de caso do Grupo Claudino

  • Keynayanna Késsia Costa Fortaleza Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Comunicação. Organizações. Ciência. Grupo Claudino. Brasil.

Resumo

A sociedade brasileira passa por um momento extremamente delicado no que diz respeito ao reconhecimento, a importância social e a validação de projetos ligados ao universo científico. Divulgar a ciência e seus resultados positivos para a vida em sociedade tornou-se um grande desafio para a classe científica do país. Diante desta realidade, este artigo se caracteriza como  bibliográfico (STUMPF, 2005) e documental (MOREIRA, 2005) e tem como objetivo explorar como as organizações, enquanto agentes sociais diretos nas comunidades onde atuam podem investir e beneficiar a ciência no Brasil. O estudo de caso se dará junto a um conglomerado sediado no Piauí, o Grupo Claudino, que desde a década de 1970 investe em projetos de ordem educativos, sociais e científicos. Para fundamentar teoricamente  essa  reflexão, foi realizada uma revisão bibliográfica embasada nos seguintes autores dos campos da Comunicação, Educação e Jornalismo Científico: B u r k e t t ( 1 9 9 0 ) , Bacegga (2009), Citelli (2009), Lima ( 2017), Kaplún (1998), dentre outros pesquisadores do tema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BACCEGA, Maria Aparecida. Campo Comunicação/Educação: mediador do processo de recepção. In: Maria Aparecida Baccega e Maria Cristina Castilho Costa (Orgs). Gestão da Comunicação. Epistemologia e pesquisa teórica. São Paulo: Paulinas. 2009. p. 13-26.

BURKETT, Warren. Jornalismo Científico. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 1990.

CITELLI, Adílson. Comunicação/ Educação: situações. In: Maria Aparecida Baccega e Maria Cristina Castilho Costa (Orgs). Gestão da Comunicação. Epistemologia e pesquisa teórica. São Paulo: Paulinas. 2009. p. 145-160.

CURY, Carlos Roberto Jamil. Financiamento da Educação Brasileira: do subsídio literário ao FUNDEB. In: Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 43, n. 4, p. 1217- 1252, out./dez. 2018.

CHANLAT, Jean Francois. Por uma antropologia Humana nas organizações. In: O individuo na organização. Jean François Chanlat (coordenador). São Paulo: Atlas, 1993.

CHAIMOVICH, Hernam. Brasil, Ciência e Tecnologia. Revista Estudos Avançados 14 (40), 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103- 40142000000300014. Acesso em: 20 de junho de 2019.

FÍGARO, Roseli. Políticas de Comunicação no mundo do trabalho. In: Maria Aparecida Baccega e Maria Cristina Castilho Costa (Orgs). Gestão da Comunicação. Epistemologia e pesquisa teórica. São Paulo: Paulinas. 2009. p. 125- 144.

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

HALL, Stuart L. Capitalismo na encruzilhada. São Paulo. Editora: Bookman, 2016

KAPLÚN, Mário. Processos Educativos e canais de comunicação. Acesso em: 24/01/2017. São Paulo, (14): 68 a 75, jan/abr.1999. Disponível em: Disponível em: http://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/36846. Acesso em: 24/01/2017.

KUNSH, Margarida (Org). Comunicação Organizacional estratégica: aportes conceituais e aplicados. São Paulo: Summus. 2016.

KUNSH, Margarida (Org). Planejamento de Relações Públicas na Comunicação Integrada. São Paulo: Summus. 2003.

LIMA, Maria Santíssima. Refletir, compreender, traduzir, teclar, despertar: o desafio nosso de falar de ciência. In: Benedito Dielcio Moreira e André Chaves de Melo (Orgs). Divulgação Científica: debates, pesquisas e exériências. Cuiabá: EdUFMT, 2017. p. 10-13.

MOREIRA, Sônia Virgínia. Análise Documental como método e como técnica. In: DUARTE, Jorge; BARROS, Antônio (Orgs.). Métodos e Técnicas de Pesquisa em Comunicação. São Paulo: Atlas, 2005. p. 269-279.

MOREIRA, Benedito Dielcio. Desafios da Divulgação Científica: os primeiros passos na UFMT. . In: Benedito Dielcio Moreira e André Chaves de Melo (Orgs). Divulgação Científica: debates, pesquisas e exériências. Cuiabá: EdUFMT, 2017. p. 14-31

MARSDEN, Richard e TOWNLEY, Barbara. A coruja de minerva: Reflexão sobre a teoria na prática. In: Handbook de estudos organizacionais. Volume 2. Organizadores: Miguel Caldas, Roberto Fachin e Tânia Fisher. São Paulo: Atlas, 2001.

NASSAR, Paulo. Relações Públicas: A construção da Responsabilidade Histórica e o resgate da Memória Institucional das Organizações. Rio de Janeiro: Difusão, 2012.

STUMPF, Ida Regina C. Pesquisa Bibliográfica. In: DUARTE, Jorge; BARROS, Antônio (Orgs.). Métodos e Técnicas de Pesquisa em Comunicação. São Paulo: Atlas, 2005. p. 51- 61.

SEQUEIRA, Bernardete. VI Congresso Português de Sociologia - Mundos Sociais: Saberes e Práticas. Universidade Nova Lisboa. Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. 25 a 28 de junho de 2008. Rio de Janeiro. Local de Publicação: Rio de Janeiro. Aprendizagem Organizacional e a Gestão do Conhecimento: uma abordagem multidisciplinar. Disponível em: http://www.aps.pt/vicongresso/pdfs/497.pdf. Acesso em: 24/01/2017.

SILVA. André Chaves de Melo. As relações entre ciência, o sistema brasileiro de pesquisa e o jornalismo científico. In: Benedito Dielcio Moreira e André Chaves de Melo (Orgs). Divulgação Científica: debates, pesquisas e exériências. Cuiabá: EdUFMT, 2017. p. 32-40.

SANTAELLA, Lucia. Comunicação e Pesquisa. São Paulo: Hacker Editores. 2001.

VIEIRA, Sofia L.; ALBUQUERQUE, Maria Gláucia M. Política Educacional em Tempos de Transição (1985 –1995). Brasília: Plano, 2000.

VIANA, Thamirys Dias. Fragmentos de uma História: Indícios do desenvolvimento do Jornalismo Empresarial e Patronal no Piauí. 2015. 170 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Centro de Ciência da Educação, Universidade Federal do Piauí, 2015.

Publicado
2020-07-06
Como Citar
Fortaleza, K. (2020). Possibilidades de atuação para as organizações no universo científico brasileiro. Revista Alterjor, 22(2), 180-194. https://doi.org/10.11606/issn.2176-1507.v22i2p180-194