Notas sobre as escolas de samba e a pandemia do novo coronavírus

Autores

  • Lucas Bártolo Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • João Gustavo Martins Melo de Sousa Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29isuplp194-203

Palavras-chave:

Escola de samba, Carnaval, Pandemia, Ritual, Cultura Popular

Resumo

Este texto traz um relato a quatro mãos sobre os efeitos em curso da pandemia do novo coronavírus no ciclo anual de produção do carnaval carioca. Depois de apresentar algumas ações de enfrentamento à crise econômica e sanitária articuladas pelas escolas de samba junto às suas comunidades, veremos como as atividades recreativas estão sendo adaptadas ao contexto de isolamento social, destacando-se a manutenção do calendário carnavalesco pela virtualização de eventos e performances. Por fim, discutiremos como o mundo do samba está construindo e legitimando o debate sobre quando e como acontecerão os próximos desfiles. Com isso, não pretendemos inventariar desafios e propor soluções para o carnaval em tempos críticos, mas relatar como as escolas e os sambistas estão atravessando este período liminar, e o que isso nos permite pensar sobre essa expressão singular da cultura popular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Bártolo, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mestre pelo Programa de Pós-graduação em Antropologia Social do Museu Nacional/UFRJ, onde atualmente cursa o doutorado. Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2015). É membro do GPAD - Grupo de Pesquisa em Antropologia da Devoção e do Ludens - Laboratório de Antropologia do Lúdico e do Sagrado, ambos do PPGAS/MN/UFRJ, onde integra projetos de pesquisa, extensão e exposição. Sua dissertação de mestrado recebeu a 1º Menção Honrosa no Concurso Sílvio Romero do IPHAN/CNFC, em 2018

João Gustavo Martins Melo de Sousa, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutorando e mestre em Artes pelo Programa de Pós-Graduação em Artes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (PPGARTES/UERJ). Graduado em Comunicação Social (jornalismo) pela Universidade Federal do Ceará. Atualmente é bolsista Faperj/Qualitech, atuando principalmente nos seguintes temas: cultura popular, carnaval, comunicação, escola de samba, samba e alegoria. Atuou como diretor cultural do Grêmio Recreativo Escola de Samba Acadêmicos do Salgueiro entre os anos de 1998 e 2017.

Referências

BALASSIANO, Marcel. Crise do Coronavírus ressalta mais ainda a importância das escolas de samba. Samba em revista. Carnaval em tempos de crise. Rio de Janeiro: ano 12, nº 9, maio, 2020, p. 20-23.

BONFIM, Evandro de Sousa. (2019). “Só Momo expulsa o Crivella das pessoas”: Críticas não-verbais e carnavalescas à Prefeitura do Rio de Janeiro. Policromias. Vol. 4, n. 1.

BRISO, Caio Barretto. “Coronavirus leaves world of Brazilian samba in mourning”. The Guardian. Rio de Janeiro, 8 de maio de 2020. Disponível em <https://www.theguardian.com/world/2020/may/08/coronavirus-leaves-world-of-brazilian-samba-in-mourning>, acesso em 09 de maio de 2020.

CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro. (2006). Carnaval Carioca: dos bastidores ao desfile. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

DAS, Veena. (1995). Critical Events: An Anthropological Perspective on Contemporary India. New Delhi: Oxford University Press.

KAPFERER, Bruce. (2010). In the event: Toward an anthropology of generic moments. Social Analysis, v. 54, n. 3, p. 1-27.

LEOPOLDI, José Sávio. (2010). Escola de samba, ritual e sociedade. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

MAUSS, Marcel. (2003). “Ensaio sobre a dádiva. Forma e razão da troca nas sociedades arcaicas”. In______. Sociologia e Antropologia. São Paulo: CosacNaify, p. 183-314.

MENEZES, Renata de Castro. (2020). “Caos, crise e a etnografia das escolas de samba do Rio de Janeiro”. Hawò, v. 1, p. 63885-38.

MENEZES, Renata de Castro; BÁRTOLO, Lucas. (2019). “Quando a devoção e o carnaval se encontram”. In: PROA – revista de Antropologia e Arte. Vol.9, n.1. p.96-121

OLIVEIRA JUNIOR, Mauro Cordeiro de. (2019). Carnaval e poderes no Rio de Janeiro: escolas de samba entre a LIESA e Crivella. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Departamento de Ciências Sociais, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

SANTOS, Ricardo Augusto dos. (2006). “O Carnaval, a peste e a 'espanhola’”. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 13(1). Rio de Janeiro.

SOUSA, João Gustavo Martins Melo de. (2018). “'É Garantido, é Caprichoso, é Carnaval: Parintins em desfile no Carnaval de 1998 do G.R.E.S. Acadêmicos do Salgueiro. In: Policromias, v.3, p. 160-176

TURNER, Victor. (1974). O processo ritual: estrutura e anti-estrutura. Petrópolis: Vozes.

VALENÇA, Rachel. (2019). “Em busca de uma saída”. Portal Sidney Valença. Rio de Janeiro, 2 de julho de 2019, disponível em <https://www.srzd.com/colunas/rachel-valenca/em-busca-de-uma-saida-por-rachel-valenca/>, acesso em 23 de maio de 2020

Downloads

Publicado

2020-08-24

Como Citar

Bártolo, L., & Sousa, J. G. M. M. de. (2020). Notas sobre as escolas de samba e a pandemia do novo coronavírus. Cadernos De Campo (São Paulo 1991), 29(supl), 194-203. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29isuplp194-203

Edição

Seção

Artigos e Ensaios