Pandemias, profecias e autonomias

os Guarani e Kaiowá contra a COVID-19

Autores

  • Felipe Mattos Johnson Universidade de Lisboa
  • Lucas Luis Faria Universidade Federal da Grande Dourados

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29isuplp42-52

Palavras-chave:

Guarani e Kaiowá, Coronavírus, Colonialidade, Autonomias

Resumo

Este relato, através da antropologia engajada e psicologia crítica, articula narrativas Guarani e Kaiowá com a pandemia do novo coronavírus, com intuito de evidenciar as ações autônomas da população indígena de contenção do COVID-19 em seus territórios. Por outro lado, os primeiros casos de infecção entre os Guarani e Kaiowá no Mato Grosso do Sul surgem a partir de grandes empresas do agronegócio, justamente o setor responsável por parte considerável da destruição de habitats que criam fricções entre seres humanos e não-humanos, gerando situações proto-pandêmicas. Neste sentido, buscamos demonstrar a permanência da colonialidade através da contradição entre o modo de vida não-indígena e a sensibilidade de mundo dos Guarani e Kaiowá com objetivo de descolonizar os discursos sobre saúde e doença, destacando a agência política dos povos indígenas para enfrentar a pandemia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Mattos Johnson, Universidade de Lisboa

Doutorando em Antropologia pela Universidade de Lisboa, Mestre em Antropologia pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD).

Lucas Luis Faria, Universidade Federal da Grande Dourados

Mestrando em Psicologia pela Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD).

Referências

ALBERT, Bruce. 2014. "Situação Etnográfica" e movimentos étnicos: notas sobre o trabalho de campo pós-malinowskiano. In: Revista Campos, vol. 15, n. 1: p.129-144.

Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB). 2020. Acampamento Terra Livre 2020 – documento final. Disponível em: http://apib.info/2020/05/01/acampamento-terra-livre-2020-documento-final/. Acesso em: 22 de mai. 2020.

BENITES, Tonico. 2012. A escola na ótica dos Ava Kaiowá: Impactos e interpretações indígenas. Rio de Janeiro: Contra Capa.

BICALHO, Poliene Soares dos Santos. 2010. Protagonismo indígena no Brasil: movimento, cidadania e direitos (1970-2009). Tese. Doutor. Tese – História. Brasília: Universidade de Brasília.

BRAND, Antonio. 2004. Os complexos caminhos da luta pela terra entre os Kaiowá e Guarani no MS. Revista Tellus, vol.4, n.6: p.137-150. DOI https://doi.org/10.20435/tellus.v0i6.82.

ESCOBAR, Arturo. 2005. O lugar da natureza e a natureza do lugar: globalização ou pós-desenvolvimento. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO, p.63-79.

GONÇALVES, Chryslen Mayra Barbosa. 2020. "Yo no sabía si amaba más al puente o al río": torções ontoepistemológicas em José María Arguedas. Caligrama, Belo Horizonte, v.25, n.1, p.45-65. DOI http://dx.doi.org/10.17851/2238-3824.25.1.45-65.

LAGROU, E. A vingança do povo morcego e o que ele pode nos ensinar sobre o novo coronavírus. Disponível em: https://jornalistaslivres.org/nisun-a-vinganca-do-povo-morcego-e-o-que-ele-pode-nos-ensinar-sobre-o-novo-coronavirus/. Acesso em: 16 de mai. 2020.

LANE, Silvia Tatiana Maurer. 1981. O que é psicologia social? São Paulo: Brasiliense.

LANDER, Edgardo. 2005. Ciências sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Ciudad Autônoma de Buenos Aires: CLACSO.

MARTÍN-BARÓ, Ignácio. 2017. Crítica e libertação na psicologia: estudos psicossociais. Petrópolis: Vozes.

MIGNOLO, Walter. 2014. Desobediencia epistémica. retórica de la modernidad, lógica de la colonialidad y gramática de la descolonialidad. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Del Signo.

MUNDURUKU, Daniel. 2012. O caráter educativo do movimento indígena (1970-1990). São Paulo: Paulinas.

NIMUENDAJU, Curt. 1987. As lendas de criação e destruição do mundo como fundamentos da religião dos Apapocúva-Guarani. São Paulo: Editora Hucitec.

QUIJANO, Aníbal. 1992. Colonialidad y modernidad/racionalidad. Revista Perú Indígena, vol.13, n.29, p.11-20.

QUIJANO, Aníbal. 2005. Colonialidade do saber, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: Eurocentrismo e ciências sociais. Ciudad Autônoma de Buenos Aires: CLACSO, 2005.

SANTOS, Gilberto Vieira. 2019. Conflitos territoriais no Brasil e o Movimento Indígena Contemporâneo. Mestre. Dissertação - Desenvolvimento Territorial na América Latina e Caribe. Presidente Prudente: Instituto de Políticas Públicas e Relações Internacionais, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”.

WALLACE, Robert. 2020. Grandes fazendas produzem grandes gripes. Disponível em: https://faccaoficticia.noblogs.org/post/2020/04/14/grandesfazendas/. Acesso em: 22 de mai. 2020.

Downloads

Publicado

2020-07-07

Como Citar

Johnson, F. M., & Faria, L. L. (2020). Pandemias, profecias e autonomias: os Guarani e Kaiowá contra a COVID-19. Cadernos De Campo (São Paulo 1991), 29(supl), 42-52. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29isuplp42-52

Edição

Seção

Artigos e Ensaios