Etnografar e intervir

Relato de uma antropologia engajada

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29isuplp216-224

Palavras-chave:

Antropologia engajada, COVID19, Imigrantes, Refugiados, Saúde

Resumo

Etnografias engajadas não são novidade para a antropologia. Em tempos de pandemia de COVID-19, em que o exercício etnográfico por vezes se torna proibitivo, outras formas de atuar apresentam-se aos antropólogos, cujo ofício pressupõe sua inserção em redes de relações nativas. O trânsito por essas redes, empreendidas etnograficamente, torna-se útil para endereçar problemas apresentados por interlocutores de pesquisa em situação de vulnerabilidade. Neste breve relato, apresento minha experiência de antropologia engajada junto a imigrantes e refugiados na cidade de São Paulo, evidenciando, em especial, a experiência junto a migrantes vivendo em Guaianases, e a atuação na Rede de Cuidados em Saúde para Imigrantes e Refugiados. Defendo, por fim, que a etnografia é uma atividade politicamente implicada, e endereçar problemas apresentados por interlocutores de pesquisa não são filigranas do trabalho do antropólogo, e localizam-no nesta rede de relações em que ele se insere, evidenciando seu agenciamento pelos sujeitos de pesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Branco Pereira, Universidade Federal de São Carlos

Doutorando e mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Cientista social com habilitação em antropologia pela Universidade de Brasília. Atualmente, é pesquisador do Laboratório de Estudos Migratórios (LEM-UFSCar), coordenador da Rede de Cuidados em Saúde para Imigrantes e Refugiados, membro do Coletivo Conviva Diferente e assessor de coordenação do Centro de Direitos Humanos e Cidadania do Imigrante (CDHIC).

Referências

ABA – Associação Brasileira de Antropologia. (2012). Código de Ética da Antropóloga e do antropólogo. Brasília: Associação Brasileira de Antropologia.

BRANCO PEREIRA, Alexandre. (2019). Viajantes do tempo: imigrantes-refugiadas, saúde mental, cultura e racismo na cidade de São Paulo. 175f. Dissertação de mestrado em Antropologia Social – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

BRANCO PEREIRA, Alexandre. (2020a). Viajantes do tempo: imigrantes-refugiadas, saúde mental, cultura e racismo na cidade de São Paulo. Curitiba: Editora CRV.

BRANCO PEREIRA, Alexandre. (2020b). “Imigrantes, refugiados e o novo coronavírus: notas para a reflexão”. Boletim Cientistas Sociais e o novo coronavírus, n. 66 – ANPOCS, p. 1-4. Disponível em http://www.aba.abant.org.br/noticia-88999

FAVRET-SAADA, Jeanne. (2005). “Ser afetado”. Tradução de Paula Siqueira, revisão de Tânia Stolze Lima. Cadernos de Campo, n. 13, pp. 155-161.

FELDMAN-BIANCO, Bela. (2018). “O Brasil frente ao regime global de controle das migrações: Direitos humanos, securitização e violências”. Travessia - Revista do Migrante, Ano 31, n.83, pp. 11-36.

FONSECA, Claudia. (1998). “Quando cada caso NÃO é um caso: pesquisa etnográfica e educação”. Trabalho apresentado na XXI Reunião Anual da ANPEd, Caxambu.

KIRSCH, Stuart. (2018). Engaged Anthropology. Oakland: University of California Press.

KIRSCH, Stuart. (2010). Experiments in engaged anthropology. Collaborative Anthropologies, v. 3, p. 69-80.

LOW, Setha; MERRY, Sally. (2010). Engaged anthropology: diversity and dilemmas. Current Anthropology, v. 51, Supplement 2, pp. S203-S226.

MACHADO, Igor José Renó. (2019). “Ethographic life: method for an ex post facto anthropology”. Anthropologica 61, pp. 345-351.

PRECIADO, Paul B. (2020) “Aprendiendo del virus”. El País, 28 de março de 2020. Disponível em https://elpais.com/elpais/2020/03/27/opinion/1585316952_026489. html acesso em: 21/05/2020.

SANCHES, Mariana. (2020). “Coronavírus: nos EUA, cidades com migrantes brasileiros e hispânicos têm 30% mais mortes por COVID-19”. UOL Notícias, 19 de abril de 2020. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/bbc/2020/04/19/nos-eua-cidades-com-migrantes-brasileiros-e-hispanicos-tem-30-mais-mortes-por-covid-19.htm acesso em: 29/05/2020

Downloads

Publicado

2020-08-27

Como Citar

Pereira, A. B. (2020). Etnografar e intervir: Relato de uma antropologia engajada. Cadernos De Campo (São Paulo 1991), 29(supl), 216-224. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29isuplp216-224

Edição

Seção

Artigos e Ensaios

Dados de financiamento