Números, casos e (sub)notificações

a vigilância epidemiológica e o boletim epidemiológico como tecnologias do biopoder

Autores

  • Jonatan Sacramento Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29isuplp182-193

Palavras-chave:

Antropologia da saúde, Epidemia, Covid-19, Biopolítica

Resumo

O objetivo artigo é colocar sob escrutínio antropológico a vigilância epidemiológica e seu boletim epidemiológico, entende-os enquanto tecnologias no sentido foucaultiano. Inscritos na lógica do biopoder, tais instrumentos seriam tecnologias de gestão da vida e da morte e, no contexto epidêmico, não devem ser lidos como um amontoado de dados, mas antes, como tecnologias discursivas produtora de sentidos sanitários, científicos, sociais e morais. Para tanto, lança-se mão das contribuições da antropologia e história da saúde, da ciência e das práticas de Estado com o objetivo de entender a vigilância epidemiológica do COVID-19 em toda sua complexidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AZEVEDO, Desirée; SANJURJO, Liliana; NADAI, Larissa. (2020). “Subnotificação e medidas excepcionais no manejo e fluxo de corpos: a COVID-19 no Brasil”. Boletim extraordinário do CAAF-Unifesp de enfrentamento da Covid-19, n. 4: p.04-09.

BARATA, Rita Barradas. (2012). Como e por que as desigualdades sociais fazem mal à saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

BRASIL. (1990). Lei Nº 8.080, de 19 de setembro de 1990 - Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília: Presidência da República/Subchefia de Assuntos Jurídicos.

BRASIL. (2019). Guia de Vigilância em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. (2019).

CAMARGO JR., Kenneth Rochel; COELI, Claudia Medina. (2020). “A difícil tarefa de informar em meio a uma pandemia”. Phsysis, v. 30, n.2, p.1-5.

CUETO, Marcos; PALMER, Steven. (2016). Medicina e saúde pública na América Latina: uma história. Tradução de Sérgio Lamarão. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

DASTON, Lorraine. (2020). Covid-19 ou le degré zéro de l’empirisme. AOC [Analyse Opinion Critique].

DINIZ, Débora. (2018). Transcrição da audiência pública sobre a ADFP 422 – Interrupção voluntária da gravidez. Brasília: Superior Tribunal Federal. Disponível em: http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/audienciasPublicas/anexo/TranscrioInterrupovoluntriadagravidez.pdf. Acesso em 16/08/2020.

FOUCAULT, Michel. (2008). Segurança, território e população: curso no Collége de France (1975-1976). Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes.

FOUCAULT, Michel. (1999). História da sexualidade 1: a vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

GAZETA, Arlene Audi Brasil. (2006). Uma Contribuição à História do Combate à Varíola no Brasil: do Controle à Erradicação. Tese de doutorado em História das Ciências e da Saúde, Casa do Oswaldo Cruz, FIOCRUZ. Rio de Janeiro.

GIELOW, Igor. (2020). “Lockdown tem apoio de 60% dos brasileiros, diz Datafoolha”. Jornal Folha de São Paulo, 26 de maio de 2020, edição eletrônica. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2020/05/lockdown-tem-apoio-de-60-dos-brasileiros-diz-datafolha.shtml

HARAWAY, Donna. (1995). “Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial”. Cadernos Pagu, n.5, p..

HOCHMAN, Gilberto. (1998). A era do saneamento: as bases da política de saúde pública no Brasil. São Paulo: Hucitec: ANPOCS.

HOCHMAN, Gilberto. (2011). “Vacinação, varíola e uma cultura da imunização no Brasil”. Ciência e Saúde Coletiva, v.16, n.2: p.375-386.

JASANOFF, Sheila. (2004). States of Knowledge. The co-production of science and social order. Londres: Routledge.

LATOUR, Bruno. (1994). Jamais fomos modernos: ensaios de antropologia simétrica. Tradução Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro: Editora 34.

LÖWY, Ilana. (2006). Vírus, mosquitos e modernidade: a febre amarela no Brasil entre ciência e política. Tradução de Irene Ernest Dias. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

MONTGOMEY, Catherine; ENGELMAN, Lukas. (2020). “Epidemiological Publics? On the Domestication of Modelling in the era of COVID-19”. Somatosphere.

MOREIRA, Martha Cristina Nunes. (1999). “A Fundação Rockefeller e a construção da identidade profissional de enfermagem no Brasil na Primeira República”. História, Ciências, Saúde - Manguinhos, v.5, n.3: p.621-645.

PALMER, Steven. (2015). Gênese da Saúde Global: a Fundação Rockefeller no Caribe e na América Latina. Tradução de Annabella Blyth. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

QUEIROZ, Christina. (2020). “A dimensão da pandemia”. Pesquisa FAPESP, nº 292.

REDE COVIDA. COVID-19 – Reflexões acerca das desigualdades no acesso ao diagnóstico. https://covid19br.org/relatorios/covid-19-reflexoes-acerca-das-desigualdades-no-acesso-ao-diagnostico/ (acesso em 31 de maio).

SACRAMENTO, Jonatan. (2018). Saberes, poderes e corporalidades: a biopolítica da erradicação da varíola. Dissertação de mestrado em Antropologia Social. Campinas: Unicamp.

SACRAMENTO, Jonatan. (2019). “Crónica de un éxito consolidado: las políticas de erradicación de la viruela en Brasil (1962-1973)”. Salud Colectiva, V. 15, e2167.

Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. (2010). “A situação epidemiológica do sarampo no Brasil”. BEPA. Boletim Epidemiológico Paulista, v.7, n.82: p.11-14.

TORRES, Carlos Henrique Duarte Alves. CZERESNIA, Dina. (2003). “A institucionalização da epidemiologia como disciplina na Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro”. História, Ciência, Saúde - Manguinhos, v.10, n.2: p.525-548.

VIANNA, Adriana; LOWENKRON, Laura. (2017). “O duplo fazer do gênero e do Estado: interconexões, materialidades e linguagens”. Cadernos Pagu, n. 51, e175101.

Downloads

Publicado

2020-07-25

Como Citar

Sacramento, J. (2020). Números, casos e (sub)notificações: a vigilância epidemiológica e o boletim epidemiológico como tecnologias do biopoder. Cadernos De Campo (São Paulo 1991), 29(supl), 182-193. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29isuplp182-193

Edição

Seção

Artigos e Ensaios

Dados de financiamento