1871: o ano que não terminou

  • Márcio Ferreira da Silva Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Parentesco, Método Genealógico, Lewis H. Morgan, William H. R. Rivers, História da Antropologia

Resumo

Em 1871, com a publicação de Sis-
temas de Consanguinidade e Afinidade da Família
Humana, de Lewis Henry Morgan, a antropologia
do parentesco definiu pela primeira vez uma órbita
própria, livre do campo gravitacional da história, do
direito e da filologia. Neste livro, Morgan propõe
um objeto, um método e uma técnica de observação
dos fenômenos classificados sob a rubrica “parentes-
co”, que o autor define como a expressão formal e o
reconhecimento social das relações naturais entre os
indivíduos (1871, p.10). Esta definição está no cen-
tro de um dos debates mais antigos da antropologia,
a relação entre parentesco e genealogia, que atraves-
sa cento e quarenta anos da disciplina e, a julgar por
seus desdobramentos mais recentes, promete ainda
muitos anos de polêmica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcio Ferreira da Silva, Universidade de São Paulo
Professor de Antropologia / USP
Doutor em Antropologia Social / MN-UFRJ
Publicado
2010-03-30
Como Citar
Silva, M. (2010). 1871: o ano que não terminou. Cadernos De Campo (São Paulo 1991), 19(19), 323-336. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v19i19p323-336
Seção
Especial