Vestindo o jaleco: reflexões sobre a subjetividade e a posição do etnógrafo em ambiente médico

  • Lilian Krakowski Chazan Universidade Estadual do Rio de Janeiro
Palavras-chave: pesquisa qualitativa, etnografia, observação participante, identidade do pesquisador, subjetividades.

Resumo

A autora discute questões surgidas no decorrer do trabalho de campo, parte da tese de doutorado, cuja temática consiste na construção do feto como Pessoa, mediada pela tecnologia de imagem. Foram observadas ultrassonografias obstétricas em clínicas do Rio de Janeiro, RJ, e neste texto é problematizado o fato de buscar um olhar antropológico em ambiente médico, sendo ela própria médica. O pedido de que vestisse o jaleco em duas clínicas gerou questões acerca da identidade da observadora, como médica e como antropóloga. Discute-se como esta dupla inserção opera no decorrer da pesquisa, em relação aos atores deste universo e no olhar da observadora. A presença desta pareceu ser mais perturbadora para os médicos do que para as gestantes. O modo como a perturbação era expressa diferiu de acordo com o gênero do ultrassonografista. A formação médica facilitou a entrada no campo e a aceitação da pesquisa por parte de seus sujeitos e por outro lado há uma tensão quando a pesquisadora busca estranhar uma situação duplamente familiar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lilian Krakowski Chazan, Universidade Estadual do Rio de Janeiro
Doutora em Saúde Coletiva pelo PPGSC/IMS/
UERJ e bolsista FAPERJ.
Publicado
2005-03-30
Como Citar
Chazan, L. (2005). Vestindo o jaleco: reflexões sobre a subjetividade e a posição do etnógrafo em ambiente médico. Cadernos De Campo (São Paulo 1991), 13(13). https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v13i13p%p
Seção
Artigos e Ensaios