Sobre a linguagem como fio condutor das reflexões de Giorgio Agamben

  • Benjamim Brum Neto Universidade Federal do Paraná
Palavras-chave: Linguagem, Política, Direito, Exceção

Resumo

O artigo pretende abordar a linguagem como motor fundamental das reflexões de Giorgio Agamben, sejam elas pertinentes à filosofia, teologia, direito ou política. Para isso o artigo se divide em duas partes. Na primeira, pretendemos mostrar, sobretudo a partir de textos anteriores à serie Homo sacer, especialmente os presentes na coletânea A potência do pensamento, de que forma o pensamento sobre a linguagem influencia a compreensão de Agamben sobre o conceito de filosofia, de teologia e de tradição. Já na segunda parte pretendemos explorar de que forma, de acordo com Agamben, a operação jurídico-política fundamental de nossa tradição está vinculada à forma como pensamos até hoje a relação do homem com o logos. Para Agamben, estrutura de exceptio corresponde à estrutura originária do acontecimento de linguagem

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Benjamim Brum Neto, Universidade Federal do Paraná

Doutorando em Filosofia pela UFPR

Referências

AGAMBEN, G. “A coisa mesma”. In:______. A potência do pensamento: ensaios e conferências. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

AGAMBEN, G. “A ideia da linguagem”. In:______. A potência do pensamento: ensaios e conferências. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

AGAMBEN, G. A linguagem e a morte: um seminário sobre o lugar da negatividade. Belo Horizonte: UFMG, 2006.

AGAMBEN, G. “A potência do pensamento”. In:______. A potência do pensamento: ensaios e conferências. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

AGAMBEN, G. Estâncias: a palavra e o fantasma na cultura ocidental. Belo Horizonte: UFMG, 2012.

AGAMBEN, G. “Filosofia e linguística. Jean-Claude Milner: Introduction à une Science du langage.” In:______. A potência do pensamento: ensaios e conferências. Belo Horizonte : Autêntica, 2015.

AGAMBEN, G. Homo sacer: o poder soberano e a vida nua. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

AGAMBEN, G. Infância e história: destruição da experiência e origem da história. Belo Horinzonte: UFMG, 2005.

AGAMBEN, G. O uso dos corpos. São Paulo: Boitempo, 2017b.

AGAMBEN, G. “Língua e história: categorias linguísticas e categorias históricas no pensamento de Walter Benjamin”. In:______. A potência do pensamento: ensaios e conferências. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

AGAMBEN, G. Meios sem fim: notas sobre a política. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

AGAMBEN, G. “Mysterium burocraticum”. In:______. Il fuoco e il racconto. Roma: Nottetempo, 2014.

AGAMBEN, G. “O que é o dispositivo?” In:______. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Tradução Vinícius Nicastro Honesko. Santa Catariana: Argos, 2009

AGAMBEN, G. O sacramento da linguagem: arqueologia do juramento. 2011, p. 70.

AGAMBEN, G. “O fim do pensamento”. In:______. A linguagem e a morte: um seminário sobre o lugar da negatividade. Belo Horizonte: UFMG, 2006.

AGAMBEN, G. “Principia hermenêutica”. In: Critique, Paris: Éditions Minuit 2017/1 nº836-837, pp.5-13.

AGAMBEN, G. “Sobre os limites da violência”. Revista Sopro: panfleto político-cultural. Out/2017a. Nº 79.

AGAMBEN, G. Qu´est-ce que le commandement? Paris: Payos &Rivages, 2013.

AGAMBEN, G. Signatura rerum: sur la méthode. Paris: Vrin, 2008.

AGAMBEN, G. “Trai il diritto e la vita”. In: Thomas, Y. Il valore delle cose. Macerata: Quodlibet, 2015.

BARBOSA, J. Política e tempo em Giorgio Agamben. São Paulo: EDUC, 2014.

BENVENISTE, É. Le vocabulaire des institutions indo-européennes. Paris: Minuit, 1969, v. 1 e 2.

CASTRO, E. Introdução à Giorgio Agamben: uma arqueologia da potência. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

CASSIN, B. Aristóteles e o logos : contos da fenomenologia do comum. São Paulo: Loyola, 1999.

COCCIA, E. “Quodilibet. Logique et physique de l´être quelconque”, In: Critique, Paris: Éditions Minuit 2017/1 nº836-837, pp 66-77.

D´ALONZO, J. Bibliografia di Giorgio Agamben. Disponível em: www.filosofia-italiana.net, Marzo, 2014.

D´ALONZO, J. “El origen de la nuda vida: política y lenguaje en el pensamiento de Giorgio Agamben”. Revista Pléyade 12, julio – diciembre, pp. 99-118, 2013.

FRANCALANCI, C. “Aristóteles e Agamben: alguns apontamentos sobre a transmissão do vínculo entre logos e pólis”. O que nos faz pensar. v. 23 n. 35 (2014): Nº 35: dezembro de 2014.

GERNET, Louis. Recherches sur le développement de la Pensée Juridique et Morale en Grèce: Étude Semantique. Paris: Ernest Leroux, 1917.

GNOLIO, A.; GOVRIN, I. “Philosophy As Interdisciplinary Intensity – An Interview With Giorgio Agamben.” Disponível em: http://jcrt.org/religioustheory/2017/02/06/philosophy-asinterdisciplinary-intensity-an-interview-with-giorgio-agamben-antonio-gnolioido-govrin/. Último acesso 21/03/17.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. Rio de Janeiro: Vozes, 2012.

KARMY, Rodrigo. Políticas de la Excarnación. Para una genealogía teológica de la biopolítica. Buenos Aires: Editorial Universidad Pedagógica. En Prensa.

MILLS, C. The philosophy of Agamben. Montréal: McGilll-Queen´s University Press, 2008.

MURRAY, A. Giorgio Agamben. New York: Routledge critical thinkers, 2010.

SALZANI, C. “Il linguaggio è il sovrano: Agamben e la politica del linguaggio”. Rivista Italiana di Filosofia del Linguaggio, 9(1), 2015, pp. 268-280.

SPANÒ, M. “Le parole e le cose (del diritto)”. In: THOMAS, Y. Il valore delle cose. Macerata: Quodlibet, 2015, p. 88-89.

Publicado
2019-06-25
Como Citar
Brum Neto, B. (2019). Sobre a linguagem como fio condutor das reflexões de Giorgio Agamben. Cadernos De Ética E Filosofia Política, 1(34), 101-116. https://doi.org/10.11606/issn.1517-0128.v1i34p101-116
Seção
Artigos