Estátuas verbais

  • Diego Moreira Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC
Palavras-chave: Parnasianismo, Estátua, Simbolismo, Francisca Júlia

Resumo

O presente artigo tem por objetivo analisar alguns poemas do parnasianismo brasileiro, comumente massacrado pela crítica literária, como sendo uma espécie de arte destituída de paixão, cerebral e que não fazia mais que emular motivos e regras do parnaso europeu. O objetivo aqui é estabelecer ligações entre os poemas parnasianos e a escultura, uma vez que para Olavo Bilac, Raimundo Correia e Alberto Oliveira, o ápice da criação parnasiana ultrapassaria a ourivesaria verbal, a fim de transformar o próprio poema (predominantemente a forma soneto) em objeto de contemplação estética. Nesse sentido, para além da querela entre parnasianos e simbolistas e o fato de que este surge, no Brasil, como espécie de reação àquele (o que não é novidade, posto que o próprio parnasianismo se configurasse como resposta ao romantismo tardio), perceber as inflexões, mesmo dentro do parnasianismo, a partir de figuras como Francisca Júlia e Luiz Delfino, resulta fulcral para lançar nova luz às leituras feitas, desde o começo do século XX, sobre o parnaso brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua I. Tradução de Henrique Búrigo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.
ANDRADE, Mario de. Aspectos da literatura brasileira. 5 ed. São Paulo: Livraria Martins Editora, 1974.
BATAILLE, Georges. A parte maldita – precedida de “A noção de dispêndio”. Tradução de Júlio Castañon Guimarães. 2 ed. revisada. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.
BILAC, Olavo (como Pierrot). Floriano Peixoto. In: O combate. Rio de Janeiro, 09 de março de 1892.
CÂNDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. Estudos sobre Teoria e História Literária. São Paulo: Nacional, 1985.
CRUZ & SOUZA, João da. Obra completa vol. 1: poesia. Organização e estudo de Lauro Junkes. Jaraguá do Sul: Avenida, 2008.
DELFINO, Luís. Melhores poemas. Seleção de Lauro Junkes. São Paulo: Global, 1998.
DELEUZE, Gilles. Sacher-Masoch: o frio e o cruel. Tradução de Jorge Bastos; revisão técnica de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2009.
ERNST, Max. Escrituras. Tradução de Pere Grimferrer e Alfred Sargatal. Barcelona: Polígrafa, 1982.
GUIMARAENS, Alphonsus de. Kiriale. Porto: Typographia Universal, 1902.
JÚLIA, Francisca. Esfinges. São Paulo: Editora Olegário Ribeiro, 1903.
JÚLIA, Francisca. Mármores. São Paulo: Horácio Belfort Sabino Editor, 1895.
LEMINSKI, Paulo. Ensaios e anseios crípticos. 2 ed. ampliada. Campinas: Editora da Unicamp, 2012.
LOOS, Adolf. Ornamento e delito. Tradução de Anja Pratschke. Disponível em: <>. Último acesso em 29 de agosto de 2019.
MARTINO, Pierre. Parnasse et symbolisme. Paris: Colin, 1967.
MISKOLCKI, Richard; BALIEIRO, Fernando de Figueiredo. O drama público de Raul Pompeia: sexualidade e política no Brasil finissecular. In: Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 26, nº 75. São Paulo: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, 2010.
MORAES, Eliane Robert. Perversos, amantes e outros trágicos. São Paulo: Iluminuras, 2013.
OLIVEIRA, Alberto de. Poesias. In : Nossos clássicos. Rio de Janeiro: Agir Editora, 1959.
RIBEIRO, Júlio. A carne. Apresentação, notas e estabelecimento de texto de Marcelo Bulhões; ilustrações de Mônica Leite. 2 ed. Cotia: Ateliê Editorial, 2015. (Coleção Clássicos Ateliê)
SACHER-MASOCH, Leopold von. A Vênus das peles. Tradução de Saulo Krieger. São Paulo: Hedra, 2008.
SCRAMIM, Susana. Paulo Leminski e o simbolismo. In: SANDMANN, Marcelo (org). A pau a pedra, a fogo a pique: dez ensaios sobre a obra de Paulo Leminski. Curitiba: Imprensa Oficial, 2010.
Publicado
2019-12-27
Como Citar
Moreira, D. (2019). Estátuas verbais. Revista Criação & Crítica, 1(25), 166-180. https://doi.org/10.11606/issn.1984-1124.v1i25p166-180