Lee-Li Yang: a radicalização do fingimento poetico

Palavras-chave: Lee-Li Yang, Erotismo, Heteronimia, Melancolia, Virgilio de Lemos

Resumo

Este artigo apresenta uma leitura de poesias escritas por Lee-Li Yang, heterônimo feminino do poeta moçambicano Virgílio de Lemos. Para tanto, consideram-se os aspectos semióticos que caracterizam a dicção feminina, bem como o erotismo e a melancolia presentes nos poemas de Lee-Li Yang. A partir da leitura dos poemas selecionados, evidencia-se que há, realmente, características literárias que são predominantemente do universo feminino. Pretende-se, também, avaliar em que medida o poeta Virgílio de Lemos simula, na escrita de Lee-Li Yang, a “experiência corporal, interior, social e cultural” (JORGE, 1995, p. 23) inerente ao universo das mulheres.

ílio de Lemos. Para tanto, consideram-se os aspectos semióticos que caracterizam a dicção feminina, bem como o erotismo e a melancolia presentes nos poemas de Lee-Li Yang. A partir da leitura dos poemas selecionados, evidencia-se que há, realmente, características literárias que são predominantemente do universo feminino. Pretende-se, também, avaliar em que medida o poeta Virgílio de Lemos simula, na escrita de Lee-Li Yang, a “experiência corporal, interior, social e cultural” (JORGE, 1995, p. 23) inerente ao universo das mulheres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Brandão Leal, Universidade Federal de Viçosa

Doutora em Letras - Literaturas de Língua Portuguesa, pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2018). Atuou como pesquisadora visitante na Universidade de Lisboa (2017).

Professora Adjunto na Universidade Federal de Viçosa, atuando no campus Florestal. 

Referências

ALCOFORADO, Mariana. Cartas de amor de uma freira portuguesa. [1669] Título original: Lettres Portugaises. Disponível em: <https://www.luso-livros.net/wp-content/uploads/2013/02/Cartas-de-Amor-de-uma-Freira-Portuguesa.pdf>. Acesso em: 20 nov. 2017.

BATAILLE, Georges. O erotismo. Tradução de Antônio Carlos Viana. Porto Alegre: L&PM, 1987.

CASTELO BRANCO, Lúcia. O que é escrita feminina? São Paulo: Brasiliense, 1991.

HANNA, Vera Lúcia. O contraponto poético em “Ó Madalena, ó cabelos de rastros”, de Camilo Pessanha. 1980. Dissertação (Mestrado em Letras - Literatura Portuguesa) - Faculdade de Filosofa, Letras e Ciências Humanas, Departamento de Letras Modernas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1980.

HUIZINGA, Johan. O outono da Idade Média. Tradução de Francis Petra Janssen. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

JORGE, Luíza Neto. O sexo dos textos: traços da ficção narrativa de autoria feminina. In: MAGALHÃES, Isabel Allegro de Magalhães. O sexo dos textos e outras leituras. Lisboa: Editorial Caminho, 1995. p. 15-54.

LEITE, Ana Mafalda. Lee-Li Yang, um heterónimo feminino de Virgílio de Lemos. In: MATOS, Inocência. A mulher em África: vozes de uma margem sempre presente. Lisboa: Edições Colibri/Centro de Estudos Africanos, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa - FLUL, 2006. p. 381-390.

LEMOS, Virgílio de. Jogos de prazer. Virgílio de Lemos & heterónimos: Bruno Reis, Duarte Galvão e Lee-Li Yang. Organização do volume e prefácio de Ana Mafalda Leite. Lisboa: Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 2009.

LOPES, Elizabeth. A magia das máscaras: ator e seu duplo. In: BELTRAME, Valmor Níni; ANDRADE, Milton de (Org.). Teatro de Máscaras. Florianópolis: Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC, 2010.

MACHADO, Camila Toledo Piza. Lee-Li Yang: o espistolar em trnase poético. Rio de Janeiro, 2007. 107f. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/1mp3k75dmCYiQpyVmIRR3cY04U5y7JCxb/view Acesso 04/05/2018.

VIEIRA, Yara Frateschi. Poesia medieval: literatura portuguesa. São Paulo: Global, 1987.

Publicado
2019-12-30
Como Citar
Leal, L. (2019). Lee-Li Yang: a radicalização do fingimento poetico. Revista Crioula, (24), 193-204. https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2019.159988
Seção
Dossiê 24: Dissidências de gênero e sexualidade nas literaturas de LP