DRAMAS DA ESCRAVATURA E O EXOTISMO DO COMÉRCIO NEGREIRO, DO INDIGENATO E DO DARWINISMO SOCIAL NA OBRA DE EMÍLIO SALGARI (PARTE 1)

  • Alberto Oliveira Pinto Universidade de Lisboa
Palavras-chave: Loango, exotismo, tráfico de escravos, abolicionismo, indigenato, darwinismo social, hibridismo, cultura, raça, eugenização da África

Resumo

PUBLICADO EM 1896, DRAMAS DA ESCRAVATURA É O ÚNICO ROMANCE DE EMÍLIO SALGARI QUE VERSA SOBRE A ÁFRICA SUBSAHARIANA NÃO ISLÂMICA. PRETENDEMOS ANALISAR ALGUMAS REPRESENTAÇÕES DO IMAGINÁRIO DE EMÍLIO SALGARI: A ABOLIÇÃO DO TRÁFICO DE ESCRAVOS E DA ESCRAVATURA E A CORRESPECTIVA PASSAGEM DO ESCRAVO A “INDÍGENA”; A RACIALIZAÇÃO DAS CULTURAS OU O DETERMINISMO RACIAL COMO LEGITIMADOR DE UM COLONIALISMO DE EXPLORAÇÃO; A PERSISTENTE VISÃO DICOTÓMICA ACERCA DO HOMEM AFRICANO ENQUANTO “MAU SELVAGEM” OU “BOM SELVAGEM”; E FINALMENTE O MITO DO “HIBRIDISMO” OU DA MESTIÇAGEM.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alberto Oliveira Pinto, Universidade de Lisboa
Mestre e Doutorando em História de África da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (FLUL).
Publicado
2008-05-01
Como Citar
Pinto, A. (2008). DRAMAS DA ESCRAVATURA E O EXOTISMO DO COMÉRCIO NEGREIRO, DO INDIGENATO E DO DARWINISMO SOCIAL NA OBRA DE EMÍLIO SALGARI (PARTE 1). Revista Crioula, (3). https://doi.org/10.11606/issn.1981-7169.crioula.2008.54007