O lugar do ensino de filosofia no ensino médio técnico do Instituto Federal do Paraná

  • Daniel Salésio Vandresen Instituto Federal do Paraná
  • Rodrigo Pelloso Gelamo Universidade Estadual Paulista
Palavras-chave: Ensino de filosofia, Subjetividade, Tecnologias do si, Cuidado de si

Resumo

O objetivo deste artigo é refletir sobre o lugar do ensino de filosofia no ensino médio técnico do Instituto Federal do Paraná (IFPR). A partir da perspectiva teórica foucaultiana, este estudo pretende contribuir para o debate sobre o ensino de filosofia promovendo duas problematizações: primeiro, como uma atitude crítica da subjetividade exigida na educação tecnológica, confrontando a construção de uma subjetividade assujeitada ao modelo do capital humano com uma subjetividade que se constitui a si mesmo; segundo, identificar o pensar filosófico como uma téchne autêntica, o que permite pensar outra experiência com a técnica, rompendo com a objetividade da técnica moderna. Resgatando os conceitos da téchne grega e da Aufklärung moderna, busca-se apresentar que um dos papéis importantes da filosofia no ensino técnico seja o de possibilitar a experiência singular do cuidado de si. Desse modo, pensamos o lugar do ensino de filosofia como um espaço de experiência: onde devemos questionar a técnica (como convida Heidegger) e cuidar de nós mesmos (como aponta Foucault).

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-01-01
Como Citar
Vandresen, D., & Gelamo, R. (2018). O lugar do ensino de filosofia no ensino médio técnico do Instituto Federal do Paraná. Educação E Pesquisa, 44, e158494. https://doi.org/10.1590/s1517-9702201703158494
Seção
Artigos