O espaço fluído no imaginário das artes contemporâneas: a sensibilidade emergente

Autores

  • Valéria Cristina Pereira da Silva Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2594-9632.geoliterart.2018.142143

Palavras-chave:

Arte, fluidez, sensibilidade, lugar, paisagem

Resumo

As artes são, a priori, fontes privilegiadas de acesso à cultura e ao imaginário social. A partir delas, o espaço e o tempo descortinam-se como referências nas quais emergem saberes, a percepção, as astúcias, angústias, questionamentos e alternativas poético-simbólicas do momento. As artes pinçam o zeitgeist – o espírito de época - a mentalidade do período e seu universo de sentido. O que há nele de secreto e invisível ganha evidência. Desse modo, a arte põe a ver, a sentir, pensar e a imaginar. Neste artigo pretendo abordar fenomenologicamente obras de artes visuais que trazem o imaginário da fluidez e os sentidos perceptivos como um sintoma do espaço-tempo em que vivemos e suas implicações. A partir do recorte das obras de Tom Storm, Cao Guimaraes, Ernesto Neto, Laura Vinci, Vinícius de Souza Almeida, Neli Azevedo, Adriana Giora, Li Hongbo e a exposição “Olfatória: O cheiro na Arte” na X Bienal do Mercosul busco identificar como as formas do sensível são postas em ação e como as imagens da fluidez desdobram-se em lugar e paisagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valéria Cristina Pereira da Silva, Universidade Federal de Goiás

Prof. Dra. da Universidade Federal de Goiás, vinculada ao Instituto de Pesquisas Socioambientais IESA/UFG, onde desenvolve pesquisas ligadas aos temas: Imaginário da Cidade, Geografia e Literatura e Arte, Cultura,  Sensibilidades Contemporâneas e Pós-modernidade.

Referências

ARANTES, Pedro Fiori. Arquitetura na era digital-Financeira: desenho, canteiro e renda da forma. São Paulo: Ed 34, 2012.

ARCHER, Michel. Arte contemporânea: uma história concisa. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BACHELARD, Gaston. O direito de sonhar. São Paulo: Difel, 1985.

BACHELARD, Gaston.A chama de uma vela. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

BACHELARD, Gaston. A psicanálise do fogo.São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

BACHELARD, Gaston. A água e os sonhos: ensaio sobrea imaginação da matéria. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BACHELARD, Gaston. A terra e os devaneios da vontade.São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

BACHELARD, Gaston. A terra e os devaneios do repouso.São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BACHELARD, Gaston. O ar e os sonhos.São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço.São Paulo: Martins Fontes, 1993.

BACHELARD, Gaston. A poética do devaneio.São Paulo: Martins Fontes, 1988.

BACHELARD, Gaston. A dialética da duração. São Paulo: Ática, 1994.BAUMAN, Zygmunt. O mal estar na pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BACHELARD, Gaston.Tempos líquidos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

BBC Brasil. Fotógrafo retrata paisagens turísticas pelo reflexo em bolhas. [s.l.]: 08 de setembro de 2011. Disponível em: <http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2011/09/110908_galeria_bolhas_rw.shtml>. Acesso em: 30 abr. 2013.

CALVINO, Ítalo. As cidades invisíveis. São Paulo:Cia das Letras, 1990.

CALVINO, Ítalo. Seis propostas para o próximo milênio. São Paulo: Cia das Letras, 1990.CLAVAL, Paul. A paisagem dos geógrafos. In: CORRÊA,Roberto Lobato & ROSENDHAL (org.). Geografia cultural: uma antologia. Rio de Janeiro: UERJ, 2012,p.245-276.

CONNOR, Steven. Cultura pós-moderna: introdução às teorias do contemporâneo. São Paulo: Edições Loyola, 1993.

COLLOT, Michel. Poética e filosofia da paisagem. Rio de Janeiro: Oficina Raquel, Valéria Cristina Pereira da Silva Geografia, Literatura e Arte, v.1, n.1, p.94-123, jan./jun.2018 http://doi.org/10.11606/issn.2594-9632.geoliterart.2018.1421431222013

CYPRIANO, Fabio. A biblioteca de Lygia Pape.Folha de São Paulo. São Paulo, 21 abr. 2001. Ilustrada, p. 13.

ESTADAO. Entrevista com Manoel Borja-Villel sobre a obra de Lygia Pape Disponível em: <http://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,lygia-pape-la-fora-imp-,732437>. Acesso em: 6 nov. 2017.

FOLHA DE SÃO PAULO ILUSTRADA. A biblioteca de Lígia Pape. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq2104200113.htm>. Acesso em: 6 nov. 2017.

GUIMARÃES, Cao. O sopro. Disponível em: <http://www.caoguimaraes.com/obra/sopro/>. Acesso em: 8 nov. 2017.

LEMES, Daniel. Tom Storm fotografando o mundo em uma bolha. Disponível em: <https://www.tutoriart.com.br/tom-storm-fotografando-o-mundo-em-uma-bolha/>. Acesso em: 8 nov. 2017.

MAFESOLI, Michel. A contemplação do mundo. Porto Alegre: Artes e Ofícios, 1995.

NARDINE, Bruno. Mitologia: primeiro encontro. São Paulo: Círculo do livro, 1982.

NAVES, Rodrigo. Mona Lisa no meio do redemoinho. In: Revista Novos Estudos. São Paulo: Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap), n. 67. nov. 2003. p. 143-154. Acesso em: 15 mar. 2013. Disponível em <http://novosestudos.uol.com.br/indice/indice.asp?idEdicao=101>.

O INQUILINO. Direção de Cao Guimarães e Rivane Neuenschwander. Brasil, 2010. 10 min, digital, son., color.

PALHARES, Taisa. Texto de apresentação da exposição “Warm White” de Laura Vince. São Paulo: Pinacoteca do Estado de São Paulo, 2008.

PEIXOTO, Nelson Brissac. Paisagens urbanas. São Paulo: Senac, 2003.

PROUST, Marcel. Em busca do tempo perdido: A prisioneira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016. vol. 3.

TELLES, Lygia Fagundes. A estrutura da bolha de sabão. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

SEVCENKO, Nicolau. História da vida privada no Brasil, São Paulo: Cia das letras, 1998. p. 513-619.

SILVA, Armando Correia da. A pós-vanguarda e a epistemologia do lugar. São Paulo: 1996, mimeo.

SOPRO. Direção de Cao Guimarães e Rivane Neuenschwander. Brasil, 2000. 5 min, digital, son., p/b.

VIDICA, Ana Rita. Trânsitos entre fotografia e cinema: a partir das relações entre produção e recepção das obras artísticas. In: CICLO DE WORKSHOPS E PALESTRAS FOTOGRAFIA & CINEMA. Goiânia, Vila Cultural, 29 set –14 out. 2017.

X BIENAL DO MERCOSUL. Mensagem de uma nova América. Porto Alegre, 2015

Downloads

Publicado

2018-01-15

Como Citar

Silva, V. C. P. da. (2018). O espaço fluído no imaginário das artes contemporâneas: a sensibilidade emergente. Revista Geografia, Literatura E Arte, 1(1), 94-123. https://doi.org/10.11606/issn.2594-9632.geoliterart.2018.142143

Edição

Seção

Artigos