Os opostos que não se opõem

narrativas de medo e êxtase sobre o fim do humano a partir da Singularidade tecnológica e de Black Mirror.

  • Fabiano Galletti Faleiros Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)
Palavras-chave: Narrativas, Fim do humano, Singularidade tecnológica, Black Mirror, Gilbert Simondon

Resumo

Este artigo propõe debater os enunciados da Singularidade tecnológica e os da série Black Mirror, tratando-os como fragmentos de uma mesma narrativa. Embora tragam pontos de vista antagônicos acerca do desenvolvimento técnico, concordam que, em breve, os humanos deverão desaparecer, suprimidos pelo progresso tecnológico. Objetiva-se, com este trabalho, traçar, a partir da obra de Gilbert Simondon, tanto uma crítica aos postulados tecnofílicos da Singularidade, como aos enunciados tecnofóbicos de Black Mirror, mostrando como o medo ou o êxtase em relação à superação do humano dizem mais respeito ao desconhecimento sectário da existência dos objetos técnicos do que, propriamente, ao nosso fim.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-07-11
Como Citar
Faleiros, F. (2020). Os opostos que não se opõem. Khronos, (9), 81-100. https://doi.org/10.11606/khronos.v0i9.171670
Seção
Dossiê "Ficção científica e a história da ciência e da técnica”