Encurtando distâncias na comunicação científica: da República das Letras a Perdido em Marte

  • Carolina Sotério Universidade de São Paulo. Instituto de Química de São Carlos https://orcid.org/0000-0001-8040-0861
  • Matheus Steigenberg Populim Universidade de São Paulo. Instituto De Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC)
Palavras-chave: comunicação científica, ficção científica, República das Letras, Perdido em Marte, história da ciência

Resumo

O desenvolvimento da ciência ao longo da história também esteve atrelado ao desenvolvimento das tecnologias de comunicação de cada época. Dessa forma, o presente trabalho se propõe a traçar um panorama histórico a partir da República das Letras — na qual a comunicação por cartas era predominante — até o suprassumo da comunicação espacial, facilitada pelo desenvolvimento de sistemas especiais e corriqueiramente retratada nas produções de ficção científica. Damos destaque a internacionalmente renomada produção literária e audiovisual de Perdido em Marte, obra a qual a comunicação de ciência, em seu auge tecnológico, assume um papel crucial no desenvolvimento do enredo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Sotério, Universidade de São Paulo. Instituto de Química de São Carlos

Pós-graduanda em Ciências

Matheus Steigenberg Populim, Universidade de São Paulo. Instituto De Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC)

Graduando em Ciências da Computação

Publicado
2020-07-11
Como Citar
Sotério, C., & Populim, M. (2020). Encurtando distâncias na comunicação científica: da República das Letras a Perdido em Marte. Khronos, (9), 101-116. https://doi.org/10.11606/khronos.v0i9.171799
Seção
Dossiê "Ficção científica e a história da ciência e da técnica”