Brasilien. Ein Land der Zukunft: dois autores, duas monografias, duas Weltanschauungen

Palavras-chave: Heinrich Schüler, Stefan Zweig, país do futuro, cosmovisões antagônicas

Resumo

Nosso objetivo central é apresentar um estudo sobre Heinrich Schüler, cidadão teutobrasileiro autor de um minucioso livro sobre o Brasil. Com sua ideia de “Brasil, um país do futuro”, antecipou-se a Stefan Zweig em quase três décadas. Brasileiro naturalizado, Schüler foi representante consular do Brasil em Bremen e cônsul-adjunto em Hamburgo, onde também ministrou cursos sobre cultura brasileira para universitários. Baseando-nos em pesquisas feitas em jornais brasileiros e teuto-brasileiros, logramos compor uma imagem de Schüler que, como mostram as análises, transitava facilmente entre as diplomacias brasileira e alemã. Justamente por isso, era bem visto por uns, mas com suspeição por outros. Se, por um lado, mostrava-se um fiel cidadão da pátria que o acolhera, por outro, revelava-se um incansável defensor do alemanismo no Brasil. Defendia o envio de “sangue novo alemão” para terras brasileiras, para evitar que “as colônias de expressão alemã muito dispersas no sul do Brasil” tivessem de se mesclar “com os elementos estrangeiros”. Diante do perfil de Schüler, conclui-se que, se Stefan Zweig tiver lido a monografia do cônsul como leitura preparatória, posteriormente deve ter-se chocado com as ideias políticas desse homem que flertaria com a intenção hitlerista de implantar células do Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei (NSDAP – em português, Partido NacionalSocialista dos Trabalhadores Alemães) em estados germanófonos brasileiros.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-02-02
Como Citar
Romão, T. (2020). Brasilien. Ein Land der Zukunft: dois autores, duas monografias, duas Weltanschauungen. Pandaemonium Germanicum, 23(39), 25-56. https://doi.org/10.11606/1982-8837233925
Seção
Artigos