“Traficantes evangélicos”: novas formas de experimentação do sagrado em favelas cariocas

  • Christina Vital da Cunha Universidade Estadual do Rio de Janeiro
Palavras-chave: tráfico, evangélicos, favelas, periferias urbanas, políticas de segurança.

Resumo

A literatura atenta para uma neopentecostalização do campo religioso brasileiro a partir do sucesso que igrejas baseadas na Teologia da Prosperidade, numa cosmologia acentuadamente dualista, em rituais de libertação, cura e exorcismo têm país a fora. A batalha contra o Mal vem sendo travada nas cidades, com destaque para os espaços sociais menos favorecidos, como as favelas. No presente artigo, tenho como objetivo discutir os impactos do crescimento pentecostal nas favelas do Rio de Janeiro, a partir da análise do caso dos “traficantes evangélicos” em duas favelas cariocas. O uso livre de símbolos religiosos, a passagem de uma experimentação ligada às religiões de matriz africana para uma religião exclusivista entre os “bandidos”, o consumo de produtos gospel e a utilização de uma “gramática pentecostal” no dia a dia são todas situações que abordarei no intuito de disponibilizar um material etnográfico, e de iniciar análises sobre novas formas de fazer e de viver o pentecostalismo no Brasil hoje. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Christina Vital da Cunha, Universidade Estadual do Rio de Janeiro
Christina Vital da Cunha é doutora em Ciências Sociais pelo PPCIS/ UERJ e Pesquisadora Associada do Iser
Publicado
2008-12-01
Como Citar
Cunha, C. (2008). “Traficantes evangélicos”: novas formas de experimentação do sagrado em favelas cariocas. Plural - Revista De Ciências Sociais, 15, 13-46. https://doi.org/10.11606/issn.2176-8099.pcso.2008.75226
Seção
Artigos