Unidades geoambientais do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba, litoral norte fluminense

Palavras-chave: Análise geoambiental, Paisagem, Zona costeira

Resumo

Com objetivo de minimizar as intervenções humanas no ecossistema de restinga, foi instituído, em 29 de abril de 1998, o Parque Nacional (PARNA) da Restinga de Jurubatiba, localizado na faixa costeira de parte dos municípios de Macaé e Quissamã e em toda a faixa costeira do município de Carapebus, no Estado do Rio de Janeiro. Neste cenário, o estudo da paisagem fundamentado na abordagem sistêmica e geoecológica mostra-se um importante instrumento de análise, e embasa estudos de ordenamento territorial e planejamento ambiental. O presente estudo teve como objetivo delimitar e caracterizar Unidades Geoambientais do PARNA da Restinga de Jurubatiba e sua zona de amortecimento terrestre. As etapas de desenvolvimento consideraram a base de dados físicos e antrópicos, formada pelos componentes Formações Geológicas, Compartimentos Geomorfológicos, Classes de Solo, Precipitação e Cobertura da Terra e Uso. Correlacionados, resultaram na delimitação das seguintes Unidades Geoambientais: Colinas altas, Colinas altas dissecadas, Colinas baixas, Colinas baixas dissecadas, Planície lacustre, Planície fluviolacustre, Planície marinha, Planície fluviomarinha, Complexo de lagoas paralelas à costa, Área de inundação e Praia. Ainda como forma de caracterizar a paisagem, foram definidas as funções geoecológicas das Unidades Geoambientais em áreas emissoras, transmissoras e receptoras de matéria e energia. Ao considerar o funcionamento sistêmico, a abordagem de análise geoecológica empregada resultou na delimitação de Unidades Geoambientais que refletem a evolução da paisagem, e o Mapa de Unidades Geoambientais pode ser aplicado na gestão territorial da Unidade de Conservação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AB’SABER, A. N. Fundamentos da geomorfologia costeira no Brasil atlântico inter e subtropical. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 1, n. 1, p. 27–43, 2000.

BERNARDES, L. M. C. Planície litorânea e zona canavieira do Estado do Rio de Janeiro. Guia da excursão nº 5 realizada por ocasião do XVIII Congresso Internacional de Geografia. 1957.

CARVALHO-FILHO, A.; LUMBRERAS, J. F.; SANTOS, R. D. Os solos do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: CPRM, 2001.

CHRISTOFOLETTI, A. A. Modelagem de sistemas ambientais. 1ª ed. São Paulo: Editora Blucher, 1999.

CORDEIRO, M. R.; RODRIGUES, S. M; SOUZA, P. R. N; FERREIRA, M. I. P. Avaliação da contaminação de efluentes domésticos em poços sobre área de restinga. Boletim do Observatório Ambiental Alberto Ribeiro Lamego, v. 5, n. 1, p. 89–102, 2011.

DIAKONOV, K. N. Geofísica das paisagens: método dos balances. Moscou: Editora da Universidade Estadual de Moscou, 1988.

FEEMA. Perfil ambiental - municípios de Macaé e Quissamã. Rio de Janeiro. 1989.

FOLHARINI, S. DE O.; FURTADO, A. L. DOS S. Caracterização morfopedológica do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba e sua zona de amortecimento terrestre. Anais do VI Congresso Iberoamericano de Estudios Territoriales y Ambientales, p. 2960 – 2980, 2014.

FOLHARINI, S O. Análise geoecológica do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba e sua zona de amortecimento terrestre utilizando geoprocessamento. 2015. 1 recurso online ( xxi, 182 p.). Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Geociências, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/287779>. Acesso em: 11 abr. 2017.

GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. DA. Impactos ambientais urbanos no Brasil. 3ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand, 2005.

IBGE. Censo Demográfico 2010. Disponível em < https://censo2010.ibge.gov.br/>. Acessado em 23 ago 2017.

IBGE. Histórico dos municípios brasileiros: Macaé, Carapebus e Quissamã. Rio de Janeiro. 2014. Disponível em < https://www.cidades.ibge.gov.br/>. Acessado em 23 ago 2017.

ICMBIO. Plano de Manejo do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba - Contextualização da Unidade de Conservação. Rio de Janeiro: Ministério do Meio Ambiente, 2007.

MORAES, A. C. R. Contribuições para a gestão da zona costeira do Brasil: elementos para uma geografia do litoral brasileiro. São Paulo: Annablume, 2007.

MUEHE, D. O litoral brasileiro e sua compartimentação. In: GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. DA (Eds.). Geomorfologia do Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

MUEHE, D. Erosão costeira, mudança do clima e vulnerabilidade. In: Processos erosivos e recuperação de áreas degradas. 1ª ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2013. p. 160 – 190.

RODRIGUEZ, J. M. M.; SILVA, E. V. DA; CAVALCANTI, A. P. B. Geoecologia das paisagens: uma visão geossistêmica da análise ambiental. Fortaleza: Editora da UFC, 2004.

SANTOS, M. C. Contribuição à gestão das lagoas costeiras: conhecimento tradicional, técnico e científico associado ao manejo dos recursos naturais da Lagoa de Carapebus. Dissertação de Mestrado. Centro Federal de Educação Tecnológica de Campos, 2008.

SANTOS, M. C. F. Análise geoambiental da região da Costa do Cacau - Bahia. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Geociências, Campinas, SP Universidade Estadual de Campinas, 2012, 178 p. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/287402>.

VILLWOCK, J. A.; LESSA, G. C.; SUGUIO, K.; ANGULO, R. J.; DILLENBURG, S. R. Geologia e Geomorfologia de regiões costeiras. In: SOUZA, C. R. DE G. et al. (Eds.). Quaternário do Brasil. 1. ed. Ribeirão Preto: Editora Holos, 2005.

Publicado
2020-06-21
Como Citar
Folharini, S., Oliveira, R., & Furtado, A. L. (2020). Unidades geoambientais do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba, litoral norte fluminense. Revista Do Departamento De Geografia, 39, 154-168. https://doi.org/10.11606/rdg.v39i0.156779
Seção
Artigos

Dados de financiamento