A representação das mulheres no rap: instituindo espacialidades, quebrando barreiras

Palavras-chave: Gênero, Hip Hop, Geografias feministas

Resumo

O gênero evidencia-se como um fator determinante na vida das mulheres. De acordo com as estruturas sociais, elas são obrigadas a vivenciar situações marcadas pela discriminação de gênero, opressão, machismo e misoginia. As mulheres constroem o espaço geográfico de forma diferenciada dos outros grupos sociais, lutando cotidianamente contra a exclusão sócio-espacial, a favor da equidade, de sua afirmação e de seu direito a ocupar diferentes âmbitos da sociedade. Neste sentido, a temática da pesquisa se relaciona à Geografia por meio da questão da espacialidade que as mulheres ocupam ou deveriam ocupar, principalmente por meio do Hip Hop e de seu elemento rap, uma vez que atribuem visibilidade às populações vulneráveis e se evidenciam como potenciais ferramentas para auxiliar as mulheres na reivindicação de seus direitos e denúncia das desigualdades. Por meio deste artigo, objetiva-se investigar como a mulher é retratada nos raps masculinos e femininos a fim de compreender se existem diferenças nas formas de representação e quais os desdobramentos que esse cenário pode provocar nas espacialidades instituídas. Para tanto, 20 raps – 10 cantados por homens e 10 por mulheres – foram analisados por meio da Análise de Conteúdo de Bardin (1977) que possibilitou compreender se as mulheres estão ocupando espaços no Hip Hop e no rap, quais as relações sociais e de poder que estão sendo estabelecidas e em que medida os elementos contribuem para sua afirmação. A primeira parte do artigo discute a temática de gênero, do feminismo, das Geografias Feministas e do Hip Hop, a segunda parte contém os materiais e métodos utilizados na pesquisa e a terceira parte apresenta os resultados obtidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Lopes Fonseca, Universidade Estadual de Londrina

Licenciado em Geografia pela Universidade Estadual de Maringá. Doutor em Geografia pelo Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Estadual de Londrina. Docente do Departamento de Geociências da Universidade Estadual de Londrina.

Referências

ADICHIE, C. N. Sejamos todos feministas. 1 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

BARDIN, L. L’analyse de contenu. 8 ed. Paris: Presses Universitaires de France, 1977.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo: a experiência vivida. 2 ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1967.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo: fatos e mitos. 4 ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1970.

BERTH, J. O que é empoderamento?. 1 ed. Belo Horizonte: Letramento/Justificando, 2018.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 1 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CARNEIRO, S. Mulheres em movimento. Estudos avançados. v. 17, n. 49, p. 117-132, 2003a.

CARNEIRO, S. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. In: ASAKA Empreendedores sociais; TAKANO Cidadania (Orgs.). Racismos contemporâneos. Rio de Janeiro: Takano Editora, 2003b.

CRENSHAW, K. W. A intersecionalidade na discriminação de raça e gênero. In: Cruzamento: raça e gênero. Brasília: Unifem, 2004, p. 7-16.

FONSECA, R. L. Avaliação da preparação de graduandos de Geografia para a inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais. 2015. 183 f. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2015.

GOFFMAN, E. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4 ed. São Paulo: LTC, 1981.

IBGE, INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Estatísticas de Gênero: Indicadores sociais das mulheres no Brasil. 2018. Disponível em: <https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/media/com_mediaibge/arquivos/9d6f4faeda1f1fb7532be7a9240cc233.pdf>.

MASSEY, D. B. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

MATSUNAGA, P. S. As representações sociais da mulher no movimento Hip Hop. Psicologia & Sociedade. v. 20, n. 1, 108-116, 2008. DOI: http://www.doi.org/10.1590/S0102-71822008000100012.

MONK, J.; HANSON, S. Não excluam metade da humanidade da geografia humana. In: SILVA, J. M.; ORNAT, M. J.; CHIMIN JUNIOR, A. B. (orgs). Geografias feministas e das sexualidades: encontros e diferenças. 1 ed. Ponta Grossa: Todapalavra, 2016, p. 31-54.

RUBIN, G. O tráfico de mulheres: notas sobre a “economia política” do sexo. Tradução de Jamile Pinheiro Dias. São Paulo, Ubu Editora, 2017.

SALVI, R. F. A importância da compreensão da circularidade que envolve o processo metodológico da pesquisa qualitativa. In: BATISTA, I. L.; SALVI, R. F. (orgs). Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática (um perfil de pesquisas). 1 ed. Londrina: EDUEL, 2009. p. 167-181.

SANT’ ANA, A. O. e. História e Conceitos Básicos sobre o Racismo e seus Derivados. In: MUNANGA, K. (org). Superando o Racismo na escola. 2. ed. Brasília: Ministério da Educação, Secretária de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005. p. 39-67.

SILVA, J. M. Fazendo geografias: pluriversalidades sobre gênero e sexualidades. In: SILVA, J. M. (org.). Geografias subversivas: discurso sobre espaço, gênero e sexualidades. 1 ed. Ponta Grossa: Todapalavra, 2009a. p. 25-54.

SILVA, J. M.. Geografias feministas, sexualidades e corporalidades: desafios às práticas investigativas da ciência geográfica. In: SILVA, J. M. (org.). Geografias subversivas: discurso sobre espaço, gênero e sexualidades. 1 ed. Ponta Grossa: Todapalavra, 2009b. p. 93-114.

Publicado
2020-06-21
Como Citar
Marques, A. C., & Fonseca, R. (2020). A representação das mulheres no rap: instituindo espacialidades, quebrando barreiras. Revista Do Departamento De Geografia, 39, 25-37. https://doi.org/10.11606/rdg.v39i0.158041
Seção
Artigos