Precipitação em Maringá-PR: estatísticas descritivas, tendência de longo prazo e probabilidade de eventos extremos diários

Palavras-chave: Regressão linear, Distribuição gama, Dias úmidos consecutivos, Estação climatológica

Resumo

Este artigo buscou apresentar uma visão geral sobre a precipitação registrada na Estação Climatológica Principal de Maringá (ECPM), no período de 1980 a 2018. Quatro objetivos delinearam a pesquisa: i) obtenção de estatísticas descritivas; ii) avaliação de tendências de longo prazo; iii) avaliação da distribuição de probabilidade da precipitação diária, e iv) análise dos dias consecutivos com chuvas. Além do padrão geral dos períodos úmido e seco, observou-se máximos locais de precipitação em maio e outubro. As tendências de longo prazo foram avaliadas por meio da análise de regressão linear, não se identificando tendências estatísticas significativas. Entretanto, por meio do teste de médias, verificou-se que os anos mais recentes (2013 a 2018) foram mais chuvosos do que o restante da série (1980 a 2012). A distribuição gama foi a que apresentou o melhor ajuste entre os dados analisados e a distribuição teórica. Observou-se que em maio, setembro e outubro os volumes diários estimados são superiores aos observados no restante do ano. O período com maior número de dias consecutivos de chuva é entre outubro a março. Por outro lado, os maiores volumes por evento acontecem nesses meses e em maio e setembro. Embora tenham acumulados mensais menores do que nos meses de verão, nas estações do outono e da primavera ocorrem chuvas diárias expressivas, cujos extremos são maiores do que no verão. Essa característica relaciona-se à atuação intensificada de sistemas atmosféricos de baixa pressão, principalmente cavados e sistemas frontais precoces ou tardios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Otávio Cristiano Montanher, Universidade Estadual de Maringá

Graduação em Geografia pela Universidade Estadual de Maringá;

Mestrado em Sensoriamento remoto pelo INPE;

Atualmente professor colaborador da Universidade Estadual de Maringá, dos cursos de Engenharia Ambiental e Civil.

Referências

BACK, A. J. Aplicação de análise estatística para identificação de tendências climáticas. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 36, n. 5, 717-726, 2001. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100204X2001000500001&lng=en&nrm=iso&tlng=pt

BERGER, W. H.; LABEYRIE, L. D. Abrupt climate change – un introduction. In: Berger, W. H.; Labeyrie, L. D. (Ed.). Abrupt climate change: evidence and implications. NATO ASI Series. Series C: Mathematical and Physical Sciences, v. 16,1987. p. 3-21.

CAVALCANTI, I. F. A. Episódios El Niño/Oscilação Sul durante a década de 1986 a 1996 e suas influências no Brasil. Climanálise, 1996. http://www.climanalise.cptec.inpe.br/~rclimanl/boletim/cliesp10a/nino.html

CHAVES, R. R.; CAVALCANTI, I. F. A. Atmospheric circulation features associated with rainfall variability over Southern Northeast Brazil. Monthly Weather Review, v. 129, 2614-2626, 2001. http://www.mtc-m16b.sid.inpe.br/col/cptec.inpe.br/walmeida/2003/06.06.09.30/doc/Chaves_Atmospheric%20circulation%20features%20associated

CPTEC/INPE. Banco de dados de imagens. 2019a. http://www.satelite.cptec.inpe.br/acervo/goes.formulario.logic?i=br

CPTEC/INPE. Carta sinótica. 2019b. http://www.tempo.cptec.inpe.br/cartas.php?tipo=Superficie

CPTEC/INPE. Glossários. 2019c. https://www.cptec.inpe.br/glossario.shtml#1

GRIMM, A. M.; FERRAZ, S. E. T.; GOMES, J. Precipitation anomalies in Southern Brazil associated with El Niño and La Niña events. Journal of Climate, 11, 2863-2880, 1998. https://www.journals.ametsoc.org/doi/abs/10.1175/1520-0442(1998)011%3C2863%APAISBA%3E2.0.CO%3B2

GRIMM, A. M. Clima da Região Sul do Brasil. In: Cavalcanti, I. F. A.; Ferreira, N. J.; Silva, M. G. A. J. da; Dias, M. A. F. da. (Orgs.). Tempo e clima no Brasil. São Paulo: Oficina de Textos, 2009. p. 259-275.

IBGE. Divisão do Brasil em mesorregiões e microrregiões geográficas. Rio de Janeiro: IBGE, 1990. 135 p. https://www.biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/monografias/GEBIS%20%20RJ/DRB/Divisao%20regional_v01.pdf

IBGE. IBGE | Cidades@ | Paraná | Maringá | Panorama. 2019a. https://www.cidades.ibge.gov.br/brasil/pr/maringa/panorama

IBGE. IBGE | mapas | bases e referenciais | bases cartográficas | malhas digitais. 2019b. http://www.geoftp.ibge.gov.br/organizacao_do_territorio/malhas_territoriais/malhas_de_setores_censitarios__divisoes_intramunicipais/censo_2010/

INMET. Instituto Nacional de Meteorologia. Normais climatológicas do Brasil. Brasília, DF: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, 2018.

NATIVIDADE, U. A.; GARCIA, S. R.; TORRES, R. R. Tendência dos índices de extremos climáticos observados e projetados no estado de Minas Gerais. Revista Brasileira de Meteorologia, v. 32, n. 4, out-dez. 2017. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-77862017000400600

PAIVA SOBRINHO, S. P.; MATOS, V. A. T. de; PEREIRA, A. P. M. S.; PIVETTA, F.; SEIXAS, G. B.; CAMPELO JUNIOR, J. H. Determinação dos parâmetros da distribuição gama e média pluviométrica decendial para estações do estado de Mato Grosso. Revista Brasileira de Meteorologia, v. 29, n. 2, 183-196, 2014.

SAMPAIO, S. C.; LONGO, A. J.; QUEIROZ, M. M. F. de ; GOMES, B. M. ; VILAS BOAS, M. A. ; SUSZEK, M. Estimativa e distribuição da precipitação mensal provável no Estado do Paraná. Acta Scientiarum Human and Social Sciences, v. 28, n. 2, 267-272, 2006.

SANTOS, J. W. M. C. O clima urbano de Maringá: ensaio metodológico para cidades de porte médio e pequeno. 172 f. 1996. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade de São Paulo.

SILLMANN, J.; KHARIN, V. V.; ZHANG, X.; ZWIERS, F. W.; BRONAUGH, D. Climate extremes indices in the CMIP5 multi-model ensemble. Part 1: Model evaluation in the present climate. Journal of Geophysical Research: Atmospheres, v. 118, n. 4, 1716-1733, 2013. https://www.doi.org/10.1002/jgrd.50203

SILVA, W. L. ; DERECZYNSKI, C. ; CHANG, M. ; FREITAS, M . ; MACHADO, B. J. ; TRISTÃO, L. ; RUGGERI, J. Tendências observadas em indicadores de extremos climáticos de temperatura e precipitação no estado do Paraná. Revista Brasileira de Meteorologia, São Paulo, v. 30, n. 2, 2015. http://www.doi.org/10.1590/0102-778620130622

SILVEIRA, L.M. da. Análise rítmica dos tipos de tempo no Norte do Paraná, aplicada ao clima local de Maringá-PR. 2003. 505 f. Tese (Doutorado em Geografia Física) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2003.

TAVARES, R. Clima, tempo e desastres. In: TOMINAGA, L. K.; SANTORO, J.; AMARAL, R. do (Orgs.). Desastres naturais: conhecer para prevenir. São Paulo: Instituto Geológico, 2009. p. 113-146.

UNISDR. The United Nations Office for Disaster Risk Redution. Terminology on Disaster, Risk, Reduction. 2009. https://www.unisdr.org/we/inform/publications/7817

WMO - World Meteorological Organization. WMO Guidelines on the Calculation of Climate Normals. WMO n. 1203. Genebra, Suíça. 2017.

Publicado
2020-06-26
Como Citar
Montanher, O., & Minaki, C. (2020). Precipitação em Maringá-PR: estatísticas descritivas, tendência de longo prazo e probabilidade de eventos extremos diários. Revista Do Departamento De Geografia, 39, 138-153. https://doi.org/10.11606/rdg.v39i0.164209
Seção
Artigos