Espacialização de áreas inundáveis no baixo curso do Rio Tibagi – PR

Palavras-chave: Inundação, Geotecnologia, Mapeamento

Resumo

Esse artigo teve como objetivo espacializar as áreas inundáveis no sítio urbano de Jataizinho – PR, que fica no baixo curso do Rio Tibagi e é considerada uma das cidades mais afetadas pelas inundações desse rio. O mapeamento foi realizado por meio do uso de geotecnologias, como GNSS, estereoscopia digital e geoprocessamento. Os resultados apontam que as inundações estão concentradas em dois grupos principais, quais sejam, grupo A: inundações nas áreas de planície fluvial e na transição destas com áreas de terraço, compreendidas entre as cotas altimétricas 339,346 m e 340,520 m; e grupo B: inundações nas áreas de terraço e na transição destas com algumas colinas, ou seja, entre as cotas altimétricas 340,521 m e 341,59 m. As inundações do Rio Tibagi apresentam período de retorno a partir de 5 anos, já os episódios mais bruscos de inundações denotam período de retorno a partir de 25 anos. Observa-se que, parte significativa das áreas inundáveis é ocupada por habitantes da cidade. Os resultados obtidos mostraram-se satisfatórios, de modo que o mapeamento realizado poderá ser utilizado como ferramenta de apoio ao ordenamento territorial e ambiental da cidade de Jataizinho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Cesar Rocha, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Possui graduação em Geografia pela Universidade Estadual de Maringá (1991), mestrado e doutorado em Ecologia de Ambientes Aquáticos Continentais pela Universidade Estadual de Maringá (1995/2002). Pós-Doutorado no PEA/UEM/School of Environmental Sciences/University of Liverpool (2015). Atualmente é professor Assistente Doutor da Faculdade de Ciência e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista-UNESP. Pesquisador do CNPq, tem experiência na área de Geociências/Geografia Física, com ênfase em Geomorfologia e Dinâmica Fluvial, atuando principalmente nos seguintes temas: geomorfologia fluvial, hidrodinâmica, regime hidrológico, morfologia e dinâmica de planícies fluviais, limnologia fluvial e sedimentologia fluvial. Representante da UNESP no CBH-Paranapanema. Coordenador do Laboratório de Geologia, Geomorfologia e Recursos Hídricos da FCT/UNESP. Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Geografia - Mestrado Profissional da FCT/UNESP. Mantém intercâmbios com a Escola de Ciências Ambientais da Universidade de Liverpool-Inlgaterra, Universidade do Minho, Portugal e Universidade Nacional de San Juan, Argentina.

Referências

AICARDI, I; BOCCARDO, P; CHIABRANDO, F; FACELLO, A; GNAVI, L; LINGUA, A; PASQUALE, F; MASCHIO, P; SPANÒ, A. A didactic Project for landscape heritage mapping in post-disaster management. Applied Geomatics. v.7, n.1, p. 49-60. DOI: http://www.doi.org/10.11606/rdg.v38i1.158561.

ANA – Agência Nacional de Águas. HidroWeb: Sistema de Informações Hidrológicas. 2005. Disponível em: <http://hidroweb.ana.gov.br>. Acesso em: 01 out. 2017.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Geo Catálogo. 2014. Disponível em:< http://geocatalogo.ibama.gov.br/>. Acesso em: 14/07/2014.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente; ANA – Agência Nacional Águas. Mapa de vulnerabilidade a inundações – Brasil. Brasília: ANA, 2015a. Disponível em: < http://www2.snirh.gov.br/home/webmap/viewer.html?webmap=cf201bd9b2c540fa951b0619006eb2af>. Acesso em: 10 jul. 2015.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente; ANA – Agência Nacional Águas. Atlas de vulnerabilidade a inundações – Região Sul. Brasília: ANA, 2015b. Disponível em: < http://metadados.ana.gov.br/geonetwork/srv/pt/main.home>. Acesso em: 10 jul. 2015.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. 2. ed. São Paulo: Edgard Blücher, 1980, p. 1-105.

FRANÇA, V de. O rio Tibagi no contexto hidrogeográfico paranaense. In: MEDRI, M. E., et al. (Ed). A Bacia do Rio Tibagi. Londrina: 2002, p. 45-61.

HASEGAWA, J. K. Simulador digital do restituidor analógico: Orientação e restituição fotogramétrica digital baseada em técnicas analógicas. Presidente Prudente: FCT – UNESP, 2010, 60p.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Geodésia: Modelo de ondulação geoidal. MAPGEO 2010, versão 1.0. 2015. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/geodesia/modelo_geoidal.shtm>. Acesso em: 15/05/2015.

LANE, S. N; JAMES, T. D; PRITCHARD, H. Photogrammetric and laser altimetric reconstruction of water levels for extreme flood event analysis. Photogrammetric Record. v. 18, n. 104, p. 293–307, 2003.

LUEDELING, E; SIEBERT, S; BUERKERT, A. Filling the voids in the SRTM elevation model - A TIN-based delta surface approach. ISPRS Journal of Photogrammetry & Remote Sensing, New York, v. 62, n. 4, p. 283-294, 2007. https://doi.org/10.1016/j.isprsjprs.2007.05.004.

MAACK, R. Geografia Física do Estado do Paraná. 2. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio; Curitiba: Secretaria da Cultura e do Esporte do Governo do Estado do Paraná, 1981. p. 329-420.

MAIO, C. R. Interpretação de Imagens de Landsat na Bacia do Rio Araguaia. Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 42, n.1, p. 156-159, jan./mar., 1980.

MENDONÇA, F. de A. O Clima e o planejamento urbano de cidades de porte médio e pequeno: Proposição metodológica para estudo e sua aplicação à cidade de Londrina/PR, 1994. Tese (Doutorado em Geografia Física) – Universidade de São Paulo. Departamento de Geografia, São Paulo.

MENDONÇA, F. de A. Dinâmica atmosférica e tipos climáticos predominantes da bacia do rio Tibagi. In: MEDRI, Moacyr E., et al. (Ed.). A Bacia do Rio Tibagi. Londrina: 2002.

MOLINA, J; RODRÍGUEZ-GONZÁLVEZ, Pablo; MOLINA, M. C; González-Aguilera, Diego. Geomatic methods at service of water resources modelling. Journal of Hydrology, v. 509, p. 150-162, 2014.

MONICO, J. F. G. Posicionamento pelo GNSS: Descrição, fundamentos e aplicações. 2ª ed. São Paulo: Editora UNESP, 2008.

MONTEIRO, C. A. de F. Da necessidade de um caráter genético à classificação climática. Revista Geográfica. v. 31, n. 57, p. 29-44, 1962.

MONTEIRO, C. A. de F. Clima. In: INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Geografia do Brasil: Grande Região Sul. Rio de Janeiro: Divisão Cultural, Tomo I, 1968.

NEAL, J. C; BATES, P.D; FEWTRELL, T.J; HUNTER, N.M; WILSON, M.D; HORRITT, M.S. Distributed whole city water level measurements from the Carlisle 2005 urban flood event and comparison with hydraulic model simulations. Journal of Hydrology. v. 368, n. 1-4, p. 42–55, 2009.

NOVO, E. M. L. M; SANTOS, A. P. Monitoramento de enchentes através de sensoriamento remoto orbital: exemplo do Vale do Rio Doce. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, 2., 1982, Brasília. Anais... São José dos Campos: INPE, 1982. p. 381-394. Disponível em: <http://urlib.net/dpi.inpe.br/marte@80/2008/09.30.13.02>. Acesso em: 20 set. 2018.

PETTITT A. N. A Non-Parametric Approach To The Change-Point Problem. Applied Statistics, 28, p. 126-135, 1979.

PINTO, S. A; NOVO, E. M. L. M; PEREIRA, M. N. ROSA, R. Utilização de dados multitemporais do Landsat para a identificação de setores da planície fluvial sujeitos à inundação. Boletim de Geografia Teorética, Rio Claro, v. 15, n. 29/30, p. 182-195, 1985.

SOUSA, R. V. B. Estudo sobre as inundações no curso inferior do Rio Tibagi – PR, 2012a, 191pp. Dissertação (Mestrado em Geografia). Universidade Estadual de Londrina - UEL.

SOUSA, R. V. B; BARROS, M. V. F; PEREIRA NETO, O. C. Cálculo da área do espelho d’água, no curso inferior do rio Tibagi, através de operações aritméticas de bandas: Subsídio ao entendimento dos processos responsáveis pelas inundações, na cidade de Jataizinho – PR. Revista Brasileira de Geomorfologia, v.13, n.4, p.477-484, 2012.

SOUSA, R. V. B. Ocorrências de inundações no baixo curso do Rio Tibagi, município de Jataizinho – PR: Variáveis determinantes, 2017, 449 pp. Tese (Doutorado em Geografia). Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Faculdade de Ciências e Tecnologia – UNESP, Campus de Presidente Prudente.

SOUSA, R. V. B; ROCHA, P. C; MOROZ-CACCIA GOUVEIA, I. C; HASEGAWA, J. K. Mapeamento geomorfológico do sítio urbano de Jataizinho, baixo curso do Rio Tibagi – PR. Revista Caminhos de Geografia. v.21, n.73, p.307-320, 2020. https://doi.org/10.14393/RCG217349324

SUBRAMANYA, K. Engineering hydrology. 3ª ed. Tata McGraw-Hil, New Delhi, 2008, 434 pp.

TUCCI, C. E. M. Hidrologia: Ciência e Aplicação. 3. ed. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2004.

VALERIANO, M de M. Dados topográficos. In: FLORENZANO, T. G. (Org.). Geomorfologia: Conceitos e tecnologias atuais. São Paulo: Oficina de Textos, 2008.

VALERIANO, M. Modeling small watersheds in Brazilian Amazônia with SRTM-90m data. Computers & Geosciences, Amsterdam, v. 32, n. 8, p. 1169-1181, 2006. http://www.doi.org/10.1016/j.cageo.2005.10.019

VALERIANO, M. Modelo digital de elevação com dados SRTM disponíveis para a América do Sul. São José dos Campos: INPE, INPE-10550-RPQ/756, 2004.

VÁZQUEZ, D; MENÉNDEZ, R; FERNÁNDEZ, E. Changes in fluvial sediments storage from aerial photograph analysis (river Narcea, Northern Cantabrian Range). Cuaternario y Geomorfología, v. 25, n. 3-4, p. 71–85, 2011.

VILLELA, S. M; MATTOS, A. Hidrologia aplicada. São Paulo: McGraw-Hill, 1975, 245 p.

ZAZO, S; MOLINA, J; RODRÍGUEZ-GONZÁLVEZ, P. Analysis of flood modeling through innovative geomatic methods. Journal of Hydrology. v. 524, p. 522-537, 2015.

Publicado
2020-07-04
Como Citar
Sousa, R., & Rocha, P. (2020). Espacialização de áreas inundáveis no baixo curso do Rio Tibagi – PR. Revista Do Departamento De Geografia, 39, 184-197. https://doi.org/10.11606/rdg.v39i0.167032
Seção
Artigos