Por uma revolução branda no campo

Significados do vocabulário político das reportagens de Antonio Callado sobre o Nordeste (1959-1960)

Palavras-chave: História da imprensa no Brasil, Antonio Callado, reforma agrária, Ligas Camponesas, jornalismo literário

Resumo

Este artigo pretende explorar possíveis relações entre a história da imprensa e a história dos movimentos sociais no campo no Brasil. Para tanto, analisará uma série de reportagens de Antonio Callado sobre o Nordeste e as Ligas Camponesas publicadas no jornal Correio da Manhã, em 1959, e reunidas no livro Os industriais da seca e os “galileus” de Pernambuco um ano depois. Tal obra tem sido desde então tomada por historiadores e cientistas sociais como fonte central de informações para o estudo daquele período. Entretanto, essas matérias ainda não receberam um estudo específico que procure esclarecer suas condições de produção e seus objetivos políticos. Desse modo, esta análise pretende, ao levar em conta as referidas matérias em seu suporte original e os editoriais do Correio da Manhã que as comentaram, deter-se sobre essas questões. Isso talvez permita avaliar o papel das escolhas individuais de Callado e das forças sociais que convergiram para a confecção daquelas reportagens, bem como alguns dos significados do vocabulário político presente nelas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jefferson José Queler, Universidade Federal de Ouro Preto

Mestre e Doutor em História pela Universidade Estadual de Campinas – Unicamp. Possui estágios pós-doutorais pela Universidade Estadual de Campinas e Universidade de Birmingham – Reino Unido. Professor Adjunto do Departamento de História da Universidade Federal de Ouro Preto – Ufop.

Arnaldo José Zangelmi, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)

Mestre em Extensão Rural pela Universidade Federal de Viçosa – UFV e Doutor em Ciências Sociais: desenvolvimento, agricultura e sociedade pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro – UFRRJ. Professor Adjunto do Departamento de História da Universidade Federal de Ouro Preto – Ufop.

Referências

ABREU, Alzira Alves de et al. Dicionário histórico-biográfico brasileiro. 2ª edição. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2001.

ANDRADE, Jeferson de. Um jornal assassinado: a última batalha do Correio da Manhã. Rio de Janeiro: José Olympio, 1991.

AZEVEDO, Fernando Antônio. As ligas camponesas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

BASTOS, Élide Rugai. As ligas camponesas. Petrópolis: Vozes, 1984.

BENEVIDES, Maria Victoria de Mesquita. O governo Kubitschek: desenvolvimento econômico e estabilidade política. 3ª edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

BERGAMO, Alexandre. A escrita do presente: mudanças no status cultural do jornalismo. In: MICELI, Sérgio & PONTES, Heloisa (org.). Cultura e sociedade: Brasil e Argentina. São Paulo: Edusp, 2014, p. 211-241.

BIELSCHOWSKY, Ricardo. Pensamento econômico brasileiro: o ciclo ideológico do desenvolvimentismo (1930-64). 2ª edição. Rio de Janeiro: Contraponto, 1995.

CALLADO, Antonio. Indústria e industriais da seca. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 10/09/1959a, p. 14.

CALLADO, Antonio. Banabui, o açude que teve um filho. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 11/09/1959b, p. 16.

CALLADO, Antonio. O Orós, esse desconhecido. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 12/09/1959c, p. 4.

CALLADO, Antonio. O caso tenebroso do açude de Pilões. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 13/09/1959d, p. 14, 18.

CALLADO, Antonio. Um país de ruínas novas. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 15/ 09/1959e, p. 14, 18.

CALLADO, Antonio. Homens livres no engenho Galileia. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 17/09/1959f, p. 11, 18.

CALLADO, Antonio. Cambão: resíduo da escravidão no Nordeste. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 18/09/1959g, p. 9-14.

CALLADO, Antonio. Julião e sua marcha de 50.000 camponeses. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 20/09/1959h, p. 21.

CALLADO, Antonio. No Nordeste o camponês mais triste do mundo. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 24/09/1959i, p. 7-12.

CALLADO, Antonio. Os industriais da seca e os “galileus” de Pernambuco. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1960.

CALLADO, Antonio. Tempo de Arraes: a revolução sem violência. 3ª edição. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

CALLADO, Antonio. Esqueleto na lagoa verde: ensaio sobre a vida e o sumiço do coronel Fawcett. 2ª edição. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

CAMARGO, Aspásia de Alcântara. A questão agrária: crise de poder e reformas de base (1930-1964). In: FAUSTO, Boris (org.). História geral da civilização brasileira: tomo III: O Brasil republicano: volume 10: sociedade e política (1930-1964). 6ª edição. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

CONTRA a irrigação. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 16/09/1959, p. 6.

CZAJKA, Rodrigo. Intelectuais, literatura e imprensa no pós-golpe. História Unisinos, São Leopoldo, v. 18 n. 3, p. 498-505, 2014. Disponível em: <http://revistas.unisinos.br/index.php/historia/article/view/htu.2014.183.04> Acesso em: 20 jul. 2019. doi: http://dx.doi.org/10.4013/htu.2014.183.04.

DEZEMONE, Marcus. A questão agrária, o governo Goulart e o golpe de 1964 meio século depois. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 36, n. 71, p. 131-154, 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882016000100131&lng=en&nrm=iso> Acesso em 20 jul. 2019. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1806-93472016v36n71_006.

DEZEMONE, Marcus & GRYNSZPAN, Mario. As esquerdas e a descoberta do campo brasileiro: Ligas Camponesas, comunistas e católicos (1950-1964). In: FERREIRA, Jorge & REIS, Daniel Aarão. Nacionalismo e Reformismo Radical. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007, p. 209-237..

EDITORIAL. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 24/09/1959, p. 6.

HALLEWELL, Laurence. O livro no Brasil: sua história. 3ª edição. São Paulo: Edusp, 2012.

JULIÃO, Francisco. O que são Ligas Camponesas? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1962.

LEAL, Carlos Eduardo. Correio da Manhã. In: ABREU, Alzira Alves de et al. Dicionário histórico-biográfico Brasileiro. 2ª edição. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2001, p. 1625-1632.

LEITE, Lígia Chiappini Moraes. Antonio Callado. São Paulo: Abril Educação, 1982.

MARTINELLI, Marcos. Antonio Callado, um sermonário à brasileira. São Paulo: Annablume, 2006.

MARTINS, Lilian Juliana. Antonio Callado jornalista: a narrativa da grande reportagem e o ideal do Brasil possível. Tese de doutorado em Comunicação, Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, Unesp, Bauru, 2018.

MEDEIROS, Leonilde Sérvolo de. História dos movimentos sociais no campo. Rio de Janeiro: Fase, 1989.

MICELI, Sergio. Intelectuais à brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

MONTENEGRO, Antônio Torres. Ligas Camponesas e sindicatos rurais em tempo de revolução. In: FERREIRA, Jorge & DELGADO, Lucilia de Almeida Neves. O tempo da experiência democrática: da democratização de 1945 ao golpe civil-militar de 1964. 2ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008, p. 243-271.

MOTA, Márcia & ESTEVES, Leandro da Silva. Ligas Camponesas: história de uma luta (des)conhecida. In: MOTA, Márcia & ZARTH, Paulo (org.). Formas de resistência camponesa: visibilidade e diversidade de conflito ao longo da história: vol. II: concepções de justiça e resistência nas repúblicas do passado (1930-1960). São Paulo: Editora Unesp; Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Agrário; Nead, 2009, p. 243-257.

NAPOLITANO, Marcos. Forjando a revolução, remodelando o mercado: a arte engajada no Brasil (1956-1968). In: FERREIRA, Jorge & REIS, Daniel Aarão (org.). Nacionalismo e reformismo radical (1945-1964). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007, p. 585-619.

ORTIZ, Renato. A moderna tradição brasileira: cultura brasileira e indústria cultural. 5ª edição. São Paulo: Brasiliense, 2006.

PAGE, Joseph A. A revolução que nunca houve: o Nordeste do Brasil (1955-1964). Rio de Janeiro: Record, 1989.

POCOCK, John G. A. O conceito de linguagem e o métier d’historien. In: MICELI, Sergio (org). Linguagens do ideário político. São Paulo: Edusp, 2003, p. 63-82.

PRADO JÚNIOR, Caio. A questão agrária no Brasil. 2ª edição. São Paulo: Brasiliense, 1979.

PROST, Antoine. As palavras. In: RÉMOND, René (org.). Por uma história política. 2ª edição. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003, p. 295-331.

QUELER, Jefferson J. Jânio Quadros, o pai dos pobres: tradição e paternalismo na projeção do líder (1959-1960). Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 29, n. 84, p. 119-133, 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69092014000100008&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 20 jul. 2019. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69092014000100008.

RIBEIRO, Ana Paula Goulart. Jornalismo, literatura e política: a modernização na imprensa carioca nos anos 1950. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 1 n. 31, p. 147-160, 2003. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/2186> Acesso em: 20 jul. 2019.

RIDENTI, Marcelo. Artistas e intelectuais no Brasil pós-1960. Tempo Social, v. 17, n. 1, p. 81-110, 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20702005000100004&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 20 jul. 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-20702005000100004.

SODRÉ, Nelson Werneck. História da imprensa no Brasil. 4ª edição. Rio de Janeiro: Mauad, 1999.

SUPERINTENDÊNCIA do Nordeste. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 09/01/1960, p. 6.

Publicado
2020-02-11
Seção
Artigos