Políticas da escuta

feminismos e construção de comunidades

  • Lílian Campesato Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Escuta, Feminismos, Construções de comunidades, Políticas de escuta

Resumo

Neste trabalho pretendo explorar a questão da escuta nas discussões sobre gênero e música a partir da reflexão sobre projetos que tenho participado: a atuação do coletivo Sonora: Músicas e Feminismos; e o trabalho sobre conversa e 'escuta de si' realizado em conjunto com a compositora e pesquisadora brasileira Valéria Bonafé. Neste texto busco conectar a ideia de comunidade como espaço para a formação de diferenças com a questão da escuta como exercício de alteridade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lílian Campesato, Universidade de São Paulo

Artista, pesquisadora e curadora. Seus trabalhos exploram a escuta como espaço de conflito, tendo a voz e o ruído como aspectos centrais. Doutora pela Universidade de São Paulo, atua principalmente nas seguintes áreas: estudos do som, música experimental, artes sonoras e feminismos. Tem se apresentado como artista sonora e performer em festivais e mostras no Brasil e exterior, como em Portugal, Espanha, Reino Unido, França, Alemanha, Dinamarca, Colômbia, Argentina e México. Seus textos discutem ruído, experimentalismo e discursos contrahegemônicos e estão publicados em diferentes periódicos no Brasil e exterior e também em livros editados. Suas pesquisas acadêmicas e artísticas têm se misturado na tentativa de produzir uma abordagem que parte daquilo que é particular, subjetivo e afetivo. Foi uma das criadoras da rede Sonora: músicas e feminismos, um coletivo que desde 2015 tem promovido diversas ações e se dedicado à discussão e ampliação de expressões feministas na música e nas artes, com foco especial nos contextos brasileiro e latino-americanos. É integrante do Laura - lugar de pesquisas em auralidades, um coletivo de pesquisadores/as em sonologia cujos interesses gravitam em torno dos estudos críticos sobre auralidade. Desde 2017 desenvolve o projeto de pesquisa “Escuta de si: Poéticas Sonoras e Feminismos” em parceria com a compositora e pesquisadora Valéria Bonafé, no qual trabalham com questões relativas à inscrição da subjetividade na pesquisa a partir de poéticas da escuta. É pesquisadora associada ao NuSom - Núcleo de Pesquisas em Sonologia da USP desde 2012 e, atualmente é pesquisadora colaboradora com um projeto sobre escuta e subjetividade em depoimentos de voz gravada de mulheres.

Referências

CAMPESATO, Lílian and BONAFÉ, Valéria. “La conversación como método para la emergencia de la escucha de sí”. El oído pensante 7 (1): 47-70, 2019. Retrieved from http://ppct.caicyt.gov.ar/index.php/oidopensante.

MICHELIS, Vanessa De. A critical Analyses of work: Creative Industries, cultural labour, organised feminisms and their implications in the shaping of new Brazilian sound art. Department of Film, Media and Cultural Studies Birkbeck University of London. 1-12, 2019. Unpublished.

HOLANDA, Heloísa Buarque de. Explosão Feminista: arte, cultura, política e universidade, Cia das Letras, 2018.

SOUZA-LIMA, Henrique Rocha de. Desenho de Escuta: políticas da auralidade na era do áudio ubíquo. Tese (Doutorado em Processos de Criação Musical) - Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

RAGO, Margareth. A aventura de contar-se: feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade, Ed Unicamp, 2013.

Publicado
2020-07-11
Como Citar
Campesato, L. (2020). Políticas da escuta. Revista Música, 20(1), 493-500. https://doi.org/10.11606/rm.v20i1.172299