A Coleção Teresa Cristina do Museu Nacional do Rio de Janeiro: as possibilidades de uma coleção

Autores

  • Sandra Ferreira Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2018.116341

Palavras-chave:

Coleção Teresa Cristina, Potencial dos objetos, Iconografia, Vasos, Magna Grécia

Resumo

Este artigo pretende apresentar a Coleção Teresa Cristina do Museu Nacional do Rio de Janeiro em suas possibilidades educacionais e de pesquisa, focando, em especial, nos vasos com iconografia provenientes da região da Magna Grécia.  A coleção, também chamada de Coleção Mediterrânea, é composta por objetos etruscos, gregos e das colônias gregas do sul da Itália, além de importantes peças do período romano, especialmente, aquelas provenientes das cidades de Pompeia e Herculano. A intenção é, por meio de um conjunto específico de peças da coleção, realizar uma comparação com outras coleções do mundo, de modo a comprovar que a Coleção Teresa Cristina é uma coleção significativa, que pode fornecer material importante e variado para o estudo e a pesquisa.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Ferreira, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutora em Arqueologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGArq - Museu Nacional); mestre em História Comparada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, pesquisadora na área de Grécia Antiga.

Referências

Avella, A.A. 2014. Teresa Cristina de Bourbon: uma imperatriz napolitana nos trópicos – 1843-1889. Editora Uerj, Rio de Janeiro.

Dias, C.K.B. 2009. Colonização grega e contato cultural na Magna Grécia: o testemunho dos vasos lucânicos. Revista Aedos, 2 (5): 44-62.

Funke, P. 2006. Western Greece (Magna Graecia). In: Kinzl, K.H. (Ed.). A companion to the Classical Greek World. Blackwell Publishing, Hoboken, 153-173.

Lavagne, H. 2005. Teresa Cristina Maria: uma imperatriz arqueóloga (1822-1889). In: Afrescos de Pompéia: a beleza revelada. Museu Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro, 10-18. Catálogo de exposição.

Lomas, K. 2000. Cities, states and ethnic identity in southeast Italy. In: Herring, E. & Lomas, K. (Eds.). The emergence of state identities in Italy in the 1st millennium BC. Accordia Research Institute, London, 79-90.

Moscati, S. 1987. L’Italia prima di Roma. Electa, Milano.

Mugione, E. 1999. Pluralitá di tradizioni nella ceramica italiota. In: Villanueva-Puig, M.C. et al. (Eds.). Céramique et peinture grecques: modes d’emploi. La Documentation Française, Paris, 315-320.

Orlandini, P. 1986. Le arti figurative. In: Carratelli, G.P. et al. Megale Hellas: storia e civilità della Magna Grecia. Libri Scheiwiller, Milano, 330-554.

Peirce, S. 2004. Myth and reality on Greek vases. In: Warden, P.G. (Ed.). Greek vase painting: form, figure and narrative – treasures of the National Archaeological Museum in Madrid. Meadows Museum; SMU Press, Dallas, 46-50.

Santos, S.F. 2015. Espaços femininos na Magna Grécia e Sicília: estudo comparativo da iconografia dos vasos da Coleção Teresa Cristina e de vasos italiotas, siciliotas e áticos dos séculos V-IV a.C. Tese de doutorado. Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Sarian, H. 1996. Histórico da Coleção. In: Cerâmicas Antigas da Quinta da Boa Vista. Museu Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro, 25-28. Catálogo de exposição.

Warden, P.G. 2004. Form, figure and narrative in Greek vase painting. In: Warden, P.G. (Ed.). Greek vase painting: form, figure and narrative – treasures of the National Archaeological Museum in Madrid. Meadows Museum; SMU Press, Dallas, 4-9.

Downloads

Publicado

2018-10-09

Como Citar

Ferreira, S. (2018). A Coleção Teresa Cristina do Museu Nacional do Rio de Janeiro: as possibilidades de uma coleção. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (30), 148-160. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2018.116341

Edição

Seção

Estudos museológicos