A inserção indígena nos museus

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2018.144272

Palavras-chave:

Curadoria Compartilhada, Museus, Indígenas, Imagem, Repatriação.

Resumo

Este trabalho se reporta a algumas ações de curadoria compartilhada dentro de museus, examinando mudanças institucionais, discursivas e pragmáticas que vêm se dando, a partir principalmente dos debates pós-modernos e pós-coloniais em torno da imagem indígena tal como fora produzida/representada por meio das coleções museológicas de um período de “construção nacional”. Se a partir do século XVI as coleções foram formadas na chave do exótico, que por sua vez confirma o paradigma evolucionista e civilizatório, a atuação dos índios nas instituições de guarda problematiza a apropriação ocidental da imagem acionada pelos artefatos, inclusive naqueles reunidos pelos próprios indígenas para formar as coleções de seus museus. Em outro viés, complementar, a internet aparece como um meio para a reapropriação ou repatriação imagética, como mostra o site Roots2Share.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariane Aparecida do Nascimento Vieira, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGAS/UFRJ).

Referências

Bhabha, H.K.1998. O local da cultura. Editora UFMG, Belo Horizonte.

Boas, F. 1955. Primitive Art. Dover, New York.

Brown, M. F. 2003 Who owns native culture. Harvard University Press, Cambridge.

Bruno, M.C.O. 2008. Definição de Curadoria: os caminhos do enquadramento, tratamento e extroversão da herança patrimonial. In: Julião, L.; Bittencourt, J. (Orgs.). Cadernos de diretrizes museológicas 2: mediação em museus: curadorias, exposições, ação educativa. Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais, Belo Horizonte, 14-23.

Buijs, C.; Van Broekhoven, L. 2010. Introduction. In: Van Broekthoven, L.; Bujs, C.; Hovens, P. Sharing knowledge & cultural heritage: first nation of the Americas. Sidestone Press, Leiden, 7-16. Disponível em: <https://bit.ly/2SMNHbk>. Acesso em: 30/06/2017.

Cândido, M.M.D. 2003. Introdução. Cadernos de Sociomuseologia 20: 17-32. Disponível em: <https://bit.ly/2YuBmO9>. Acesso em: 30/07/2017.

Carelli, V. 2006. Iauaretê: Cachoeira das Onças. Olinda: Vídeo nas Aldeias. (Documentário em vídeo)

Clifford, J. 1998. A experiência etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Editora UFRJ, Rio de Janeiro.

Clifford, J. 2009. Museologia e contra-história: viagens pela costa noroeste dos Estados Unidos. In: Abreu, R.; Chagas, M. (Orgs.). Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. Lamparina, Rio de Janeiro, 254-302.

Couto, I.H.P. 2012. A política institucional e o trabalho curatorial na montagem da exposição “Tempo e Espaço no Amazonas: os Wajãpi”. In: Cury, M.X.; Vasconcellos, C. de M; Ortiz, J.M. (Orgs.). Questões indígenas e museus: debates e possibilidades. Acam Portinari, Brodowski, 90-95.

Cunha, M.C. da. 1992. Introdução. In: Cunha, M.C. da (Org.). História dos índios do Brasil. Companhia das Letras, São Paulo, 9-24.

Cunha, M.C. da. 2009. Três peças de circunstância sobre direitos dos índios. In: Cunha, M.C. da. Cultura com aspas. Cosac Naify, São Paulo, 245-258.

Cury, M.X. 2009. Museologia, novas tendências. In: Granato, M.; Santos, C.P. dos; Loureiro, M.L. de N.M. Museu e museologia: interfaces e perspectivas. Mast, Rio de Janeiro, 8-42.

Fabian, J. 2004. On recognizing things: the “ethnic artefact” and the “ethnographic object”. L’Homme 170: 47-60. Disponível em: <https://bit.ly/2OoKWyt>. Acesso em: 31/07/2017.

Fienup-Riordan, A. 2010. From consultation to collaboration. In: Van Broekthoven, L.; Bujs, C.; Hovens, P. Sharing knowledge & cultural heritage: first nation of the Americas. Sidestone Press, Leiden: 1-6. Disponível em: . Acesso em: 30/07/2017.

Françozo, M. de C. 2014. De Olinda a Holanda: o gabinete de curiosidades de Nassau. Editora Unicamp, Campinas.

Freire, J.R.B. 2009. A descoberta do museu pelos índios. In: Abreu, R.; Chagas, M. (Orgs.). Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. 2ª ed. Lamparina, Rio de Janeiro, 217-253.

Goody, J. 1996. Las consecuencias de la cultura escrita. In: Goody, J. (Org.). Cultura escrita en sociedades tradicionales. Gedisa, Barcelona, 11-38.

Goody, J. 2006. The theft of history. Cambridge University Press, Cambridge.

Gualtieri, R.C.E.; Dantes, M.A.M. 2001. Evolucionismo e ciência no brasil: museus, pesquisadores e publicações 1870-1915. 2001. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Hall, S. 2013. Quando foi o pós-colonial? Pensando no limite”. In: SOVIK, L. (Org.). Da diáspora: identidades e mediações culturais. Editora UFMG, Belo Horizonte, 110-140.

Hollanda, S.B. de. 2004. Visão do Paraíso: os motivos edênicos no descobrimento e colonização do Brasil. Brasiliense, São Paulo.

Las Casas, B. de. 2012. Treinta proposiciones muy jurídicas. In: Serna, M. (Ed.). La conquista del Nuevo Mundo: textos y documentos de la aventura americana. Castalia, Barcelona, 383-394.

Latour, B. 1994. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Editora 34, Rio de Janeiro.

Lestringant, F. 1997. O canibal: grandeza e decadência. Editora UnB, Brasília.

Lienhardt, L. 1990. La voz y su huella: escritura y conflicto étnico-social en América Latina (1492-1988). Casa de las Américas, La Havana.

Lyotard, J.-F. 2000. A condição pós-moderna. 6ª ed. José Olympio, Rio de Janeiro.

Malraux, A. 2011. O Museu Imaginário. Edições 70, Coimbra.

Meneses, U.T.B. de. 2005. A exposição museológica e o conhecimento histórico. In: Figueiredo, B.G.; VIDAL, D.G. (Orgs.). Museus: dos gabinetes de curiosidades à museologia moderna. Fino Traço, Belo Horizonte, 15-84.

Morel, M. 2000. Índios na vitrine: a “Exposição Anthropologica” de 1882 no Rio de Janeiro. Anais do 4 Ciclo de Conferências Brasil 500 Anos: Nação e Região, 2005, Rio de Janeiro.

Museu Índia Vanuíre. 2013. Índia Vanuíre. Disponível em: < https://bit.ly/2YszjGD>. Acesso em: 08/02/2017.

Nascimento, F.R. 2012. Curadoria: coleções etnográficas: os desafios de uma curadoria de etnologia atualizada. In: Cury, M.X., Vasconcellos, C. de M.; Ortiz, J.M. (Orgs.). Questões indígenas e museus: debates e possibilidades. Acam Portinari, Brodowski, 96-102.

Oliveira, J.P. de. 2012. A Refundação do Museu Maguta: Etnografia de um Protagonismo Indígena. In: Magalhães, A. M.; Bezerra, R.Z. (Org.). Coleções e colecionadores: a polissemia das práticas. Museu Histórico Nacional, Rio de Janeiro, 1, 201-218.

Poma de Ayala, F. 2005. Nueva Corónica y Buen Gobierno. Fondo de Cultura económica, Lima.

Possas, H.C.G. 2005. Classificar e ordenar: os gabinetes de curiosidades e história natural. In: Figueiredo, B.G.; Vidal, D.G. (Orgs.). Museus: dos gabinetes de curiosidades à museologia moderna. Fino Traço, Belo Horizonte, 151-162.

Poulot, D. 2013. Museu e museologia. Autêntica, Belo Horizonte.

Ribeiro, D. 1995O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. 2ª ed. Companhia das Letras, São Paulo.

Rivera Cusicanqui, S. 2010. Ch’ixinakax utxiwa: una reflexión sobre prácticas y discursos descolonizadores. Tinta Limón, Buenos Aires.

Roca, A. 2015. Acerca dos processos de indigenização dos museus: uma análise comparativa. Mana, 21, 123-155.

Sahlins, M. 1997. O “pessimismo sentimental” e a experiência etnográfica: por que a cultura não é um “objeto” em via de extinção (parte I). Mana, 3, 41-73.

Sepúlveda, J.G. de. 2012. De las justas causas de la guerra contra los indios. In: Serna, M. (Ed.). La conquista del Nuevo Mundo: textos y documentos de la aventura americana. Castalia, Barcelona, 383-394.

Stengers, I. 2015. No tempo das catástrofes. Cosac Naify, São Paulo.

Stocking, G. 1985. Objects and others: essays on museums and material culture. The Wisconsin University Press, Madison.

Thomas, N. 2001. Introduction. In: PINNEY, C.; Thomas, N. (Ed.). Beyond aesthetics: art and the technologies of enchantment. Berg, Oxford, 1-12.

Trouillot, M.-R. 2003. Anthropology and the savage slot: the poetic and politics of otherness. In: Trouillot, M.-R. Global transformations: antropology and the modern world. Palgrave Macmillan, New York, 7-28.

Vieira, M. 2017. Narrativa dos ameríndios: disseminação de uma visão do contemporâneo. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Viveiros de Castro, E.B. 2002. A Inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. Cosac & Naify, São Paulo.

Wallerstein, I. 2007. O universalismo europeu: a retórica do poder. Boitempo, São Paulo.

Downloads

Publicado

2018-10-09

Como Citar

Vieira, M. A. do N. (2018). A inserção indígena nos museus. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (30), 118-130. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2018.144272

Edição

Seção

Estudos museológicos