O Museu Vivo Antonio Samias e a sustentabilidade sociocultural dos índios Kokama

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2018.151534

Palavras-chave:

Identidade indígena, Sustentabilidade sociocultural, Museu Vivo Antônio Samias, Ecomuseus, Diversidade cultural

Resumo

A criação da Associação dos Índios Kokamas Residentes no Município de Manaus (AKIM) tem ampliado as possibilidades de fortalecimento da identidade e alcance de políticas públicas definidas para os povos indígenas, submetidos a um processo de invisibilidade social desde a ocupação da Amazônia pelos colonizadores. Esta pesquisa qualitativa, de caráter bibliográfico, tem como objetivo analisar a articulação comunitária dos Kokama na criação do Museu Vivo Antônio Samias como forma de reafirmação da identidade étnica e sustentabilidade sociocultural. Desse modo, percebeu-se que, ao agirem em comunidade/organização sociopolítica, na luta pelo processo de ressignificação cultural, os Kokama estabeleceram uma parceria com o Projeto da Nova Cartografia Social da Amazônia (PNCSA) para reforçar as práticas sociais de seu povo e de seus líderes, como mecanismo de fortalecimento da memória e resistência étnica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Sulamita Almeida da Trindade, Universidade do Estado do Amazonas

Mestra em Educação e Ensino de Ciências pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e Doutoranda
do Programa de Pós-Graduação em Sociedade e Cultura na Amazônia da Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

Denis Gomes Cordeiro, Universidade do Estado do Amazonas

Graduado em pedagogia pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA), pós-graduando em  Neuropsicopedagogia Clínica e em Neuropsicopedagogia Institucional e Educação Especial Inclusiva do Censupeg.

Referências

Aguiar, J.V.S. 2012. Narrativas sobre os povos indígenas na Amazônia. Edua, Manaus.

Almeida, A.W.B. 2017. A historicidade da vida contra a museificação: os museus e os mapas nos “centros de ciências e saberes. In: Almeida, A.W.B.; Oliveira, M.A. (Orgs.). Museus indígenas e quilombolas: centro de ciências e saberes. UEA Edições; PNCSA, Manaus, 47-83.

Almeida, A.W.B.; Rubim, A.C. 2012. Kokama: a reconquista da língua e as novas fronteiras políticas. Revista Brasileira de Linguística Antropológica 4(1): 67-80.

Arenillas, M. 2017. Inauguração do Centro de Ciências e Saberes Tradicionais Kokama Antônio Samias na comunidade indígena kokama do ramal do Brasileirinho, na cidade de Manaus-AM. Disponível em:<https://bit.ly/2SYkTNn>. Acesso em: 01/04/2018.

Barth, F. 2000. Os grupos étnicos e suas fronteiras. In: Lask, T. (Org.). O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Contra Capa, Rio de Janeiro, 7-67.

Brasil. Constituição. 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Senado, Brasília.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. 2004. Relatório GT Povos Indígenas. MDS, Brasília.

Brasil. Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome. 2005. Pesquisa nacional de assistência social PNAS/2004. MDS, Brasília.

Castells, M. 1999. O poder da identidade. Paz e Terra, São Paulo.

Costa, R.G.C. 2015. Direito dos povos indígenas e sustentabilidade: desafios de ser/sobreviver como Cocama longe da terra indígena. In: Anais da VII Jornada Internacional de Políticas Públicas, 2015, São Luiz.

Derrida, J; Roudinesco, E. 2004. De que amanhã… diálogo. Zahar, Rio de Janeiro.

Dourado, S.B. 2017. O patrimônio cultural para além da patrimonialização. In: Almeida, A.W.B.; Oliveira, M.A. (Orgs.). Museus indígenas e quilombolas: centro de ciências e saberes. UEA Edições; PNCSA, Manaus, 172-183.

Freitas, M.A.B. 2002. O povo Kokama: um caso de reafirmação de identidade étnica. Dissertação de mestrado. Universidade Federal do Amazonas, Manaus.

Leff, E. 2003. Aventuras da Epistemologia Ambiental: da articulação das ciências ao diálogo de saberes. Garamond, Rio de Janeiro.

Leff, E. 2015. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Vozes, Petrópolis.

Oliveira Filho, J.P. 2004. Uma etnografia dos índios misturados: situação colonial, territorialização e fluxos culturais. In: Oliveira, J.P. (Org.). A viagem da volta: etnicidade política e reelaboração cultural no nordeste indígena. Contra Capa, Rio de Janeiro.

Rubin, A.C. 2016. O reordenamento político e cultural do povo Kokama: a reconquista da língua e do território além das fronteiras entre o Brasil e Peru. Tese de doutorado. Universidade de Brasília, Brasília.

Rubin, A.C. 2017. Os “museus vivos” Kokama em Manaus-AM. In: Almeida, A.W.B.; Oliveira, M.A. (Orgs.). Museus indígenas e quilombolas: centro de ciências e saberes. UEA Edições; PNCSA, Manaus, 147-157.

Santos, B.S. 2002. Para um novo senso comum: a ciência, o direito e a política na transição paradigmática. Cortez, São Paulo.

Said, E.W. 1990. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. Companhia das Letras, São Paulo.

Silva, M.C. 2012. O país do Amazonas. Editora Valer, Manaus.

Souza, A.H.C. 2016. Sustentabilidade sociocultural de indígenas em área urbana. Tese de doutorado. Universidade do Vale do Itaquari, Lajeado.

Vieira, J.M.T. 2016. A luta pelo reconhecimento étnico dos kokama na tríplice fronteira Brasil/Colômbia/Peru. Tese de doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Downloads

Publicado

2018-10-09

Como Citar

Trindade, D. S. A. da, & Cordeiro, D. G. (2018). O Museu Vivo Antonio Samias e a sustentabilidade sociocultural dos índios Kokama. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (30), 104-117. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2018.151534

Edição

Seção

Estudos museológicos