The Living Museum Antonio Samias and the social sustainability of the indigenous Kokama

Keywords: Indigenous identity, Sociocultural sustainability, Living Museum Antonio Samias, Ecomuseums, Cultural diversity

Abstract

The foundation of the Association of the Indigenous Kokama from the city of Manaus (AKIM) has amplified the possibilities of reinforcement of their identity and of reaching public policies, settled for the Indigenous peoples subjected to a process of social invisibility since the occupation of the Amazon by the colonizers. This qualitative research, of bibliographic aspect, aims to analyze the community articulation of the Indigenous Kokama by the creation of the Living Museum Antonio Samias, as a form of reaffirmation of their ethnic identity and sociocultural sustainability. In this way, it was noticed that, by articulating themselves in a sociopolitical community/organization, through struggles for cultural redetermination, the Indigenous settled a partnership with the Nova Cartografia Social Program in Amazon (PNCSA), to reinforce the social practices of their people and their leaders as a mechanism of preservation of memory and resistance.

Downloads

Download data is not yet available.

Author Biographies

Daniela Sulamita Almeida da Trindade, Universidade do Estado do Amazonas

Mestra em Educação e Ensino de Ciências pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA) e Doutoranda
do Programa de Pós-Graduação em Sociedade e Cultura na Amazônia da Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

Denis Gomes Cordeiro, Universidade do Estado do Amazonas

Graduado em pedagogia pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA), pós-graduando em  Neuropsicopedagogia Clínica e em Neuropsicopedagogia Institucional e Educação Especial Inclusiva do Censupeg.

References

Aguiar, J.V.S. 2012. Narrativas sobre os povos indígenas na Amazônia. Edua, Manaus.

Almeida, A.W.B. 2017. A historicidade da vida contra a museificação: os museus e os mapas nos “centros de ciências e saberes. In: Almeida, A.W.B.; Oliveira, M.A. (Orgs.). Museus indígenas e quilombolas: centro de ciências e saberes. UEA Edições; PNCSA, Manaus, 47-83.

Almeida, A.W.B.; Rubim, A.C. 2012. Kokama: a reconquista da língua e as novas fronteiras políticas. Revista Brasileira de Linguística Antropológica 4(1): 67-80.

Arenillas, M. 2017. Inauguração do Centro de Ciências e Saberes Tradicionais Kokama Antônio Samias na comunidade indígena kokama do ramal do Brasileirinho, na cidade de Manaus-AM. Disponível em:<https://bit.ly/2SYkTNn>. Acesso em: 01/04/2018.

Barth, F. 2000. Os grupos étnicos e suas fronteiras. In: Lask, T. (Org.). O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Contra Capa, Rio de Janeiro, 7-67.

Brasil. Constituição. 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Senado, Brasília.

Brasil. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. 2004. Relatório GT Povos Indígenas. MDS, Brasília.

Brasil. Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome. 2005. Pesquisa nacional de assistência social PNAS/2004. MDS, Brasília.

Castells, M. 1999. O poder da identidade. Paz e Terra, São Paulo.

Costa, R.G.C. 2015. Direito dos povos indígenas e sustentabilidade: desafios de ser/sobreviver como Cocama longe da terra indígena. In: Anais da VII Jornada Internacional de Políticas Públicas, 2015, São Luiz.

Derrida, J; Roudinesco, E. 2004. De que amanhã… diálogo. Zahar, Rio de Janeiro.

Dourado, S.B. 2017. O patrimônio cultural para além da patrimonialização. In: Almeida, A.W.B.; Oliveira, M.A. (Orgs.). Museus indígenas e quilombolas: centro de ciências e saberes. UEA Edições; PNCSA, Manaus, 172-183.

Freitas, M.A.B. 2002. O povo Kokama: um caso de reafirmação de identidade étnica. Dissertação de mestrado. Universidade Federal do Amazonas, Manaus.

Leff, E. 2003. Aventuras da Epistemologia Ambiental: da articulação das ciências ao diálogo de saberes. Garamond, Rio de Janeiro.

Leff, E. 2015. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Vozes, Petrópolis.

Oliveira Filho, J.P. 2004. Uma etnografia dos índios misturados: situação colonial, territorialização e fluxos culturais. In: Oliveira, J.P. (Org.). A viagem da volta: etnicidade política e reelaboração cultural no nordeste indígena. Contra Capa, Rio de Janeiro.

Rubin, A.C. 2016. O reordenamento político e cultural do povo Kokama: a reconquista da língua e do território além das fronteiras entre o Brasil e Peru. Tese de doutorado. Universidade de Brasília, Brasília.

Rubin, A.C. 2017. Os “museus vivos” Kokama em Manaus-AM. In: Almeida, A.W.B.; Oliveira, M.A. (Orgs.). Museus indígenas e quilombolas: centro de ciências e saberes. UEA Edições; PNCSA, Manaus, 147-157.

Santos, B.S. 2002. Para um novo senso comum: a ciência, o direito e a política na transição paradigmática. Cortez, São Paulo.

Said, E.W. 1990. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. Companhia das Letras, São Paulo.

Silva, M.C. 2012. O país do Amazonas. Editora Valer, Manaus.

Souza, A.H.C. 2016. Sustentabilidade sociocultural de indígenas em área urbana. Tese de doutorado. Universidade do Vale do Itaquari, Lajeado.

Vieira, J.M.T. 2016. A luta pelo reconhecimento étnico dos kokama na tríplice fronteira Brasil/Colômbia/Peru. Tese de doutorado. Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Published
2018-10-09
How to Cite
Trindade, D., & Cordeiro, D. (2018). The Living Museum Antonio Samias and the social sustainability of the indigenous Kokama. Revista Do Museu De Arqueologia E Etnologia, (30), 104-117. https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2018.151534
Section
Museological studies