Elementar: Antonio Candido, inventor do inventivo Sérgio Buarque de Holanda

Palavras-chave: Antonio Candido, Sérgio Buarque de Holanda, Raízes do Brasil, Biografia, Clássico

Resumo

Ao reconstituir, com base em diversas fontes documentais (inclusive inéditas, ao que consta), a longa relação de camaradagem entre Antonio Candido e Sérgio Buarque de Holanda, discorre--se, no presente artigo, sobre o papel daquele crítico literário para a ulterior afirmação de Raízes do Brasil no cenário das ideias brasileiras. Conclui-se que a amizade entre ambos os intelectuais foi decisiva para a sagração desse livro – e, decerto, a de seu autor – como clássico da literatura nacional não ficcional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinícius Madureira Maia, Universidade de São Paulo (USP)

Doutorando vinculado ao Programa de Pós-graduação em Sociologia da USP

Kadma Marques Rodrigues, Universidade Estadual do Ceará

Professora permanente do Programa de Pós-graduação em Sociologia da Universidade Estadual do Ceará

Referências

Barbosa, Francisco de Assis. (1988), “Introdução”. In: Barbosa, Francisco de Assis (org.). Raízes de Sérgio Buarque de Holanda. 2 ed. Rio de Janeiro, Rocco.
Barros, Jayme de. (1937), “Conceito de civilização brasileira”. Diário da Noite, seção Espelho dos Livros, p. 2. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/221961_01/30951, consultado em 25/3/2019.
Barros, Jayme de. (1936), “Raízes do Brasil”. Diário da Noite, seção Espelho dos Livros, p. 2. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/221961_01/30951, consultado em 25/3/2019.
Bate, Walter Jackson. (1977), Samuel Johnson. Nova York, Harcourt Brace Jovanovich.
Benjamin, Walter ([1938] 2002), Selected Writings: Volume 3 (1938-1940). Cambridge/Londres, The Belknap Press of Harvard University Press.
Bourdieu, Pierre. (2004), Coisas ditas. Tradução de Cássia R. da Silveira e Denise Moreno Pegorim. São Paulo, Brasiliense.
Candido, Antonio. (1998), “A visão política de Sérgio Buarque de Holanda”. In: Candido, Antonio. (org.). Sérgio Buarque de Holanda e o Brasil. São Paulo, Fundação Perseu Abramo, pp. 81-88.
Candido, Antonio. ([1962] 2000), “Prefácio da 2ª edição”. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos. Belo Horizonte, Itatiaia, vol. 1.
Candido, Antonio. (2006), Literatura e sociedade. Rio de Janeiro, Ouro sobre Azul.
Candido, Antonio. (2005), Literatura e sociedade. Direção, roteiro e produção de Marcia Coutinho R. Jimenez. São Paulo. Disponível em https://youtu.be/0ygzd0gIyGg?t=670, consultado em 18/4/2019.
Candido, Antonio. (1983), “Minha amizade com Sérgio”. Revista do Brasil, Rio de Janeiro, 3 (6): 132-133.
Candido, Antonio. ([1967] 2016), “O significado de Raízes do Brasil”. In: Holanda, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. Organização de Pedro Meira Monteiro e Lilia Moritz Schwarcz. São Paulo, Companhia das Letras, pp. 351-369.
Candido, Antonio. ([1986] 2016), “Prefácio”. In: Holanda, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. Organização de Pedro Meira Monteiro e Lilia Moritz Schwarcz. São Paulo, Companhia das Letras, pp. 351-353.
Candido, Antonio. (1990), “Radicalismos”. Estudos Avançados, 4 (8): 4-18. Disponível em
http://www.revistas.usp.br/eav/article/view/8540.
Candido, Antonio. (1993), Recortes. São Paulo, Companhia das Letras.
Candido, Antonio. (1982), “Sérgio em Berlim e depois”. Novos Estudos Cebrap, i (3): 4-9.
Candido, Antonio. (1988), “Sérgio, o radical”. In: Sérgio Buarque de Holanda: vida e obra. São Paulo, Instituto de Estudos Brasileiros.
Candido, Antonio. (2002), Textos de intervenção. Seleção, apresentação e notas por Vinícius Dantas. São Paulo, Livraria Duas Cidades (col. Espírito Crítico).
Carvalho, Raphael Guilherme de. (2015), “A escrita de si de Sérgio Buarque de Holanda nos anos 1970 (notas para estudo)”. Tempos Históricos, 19: 103-119.
“Conflito num bar: muita pancadaria e três pessoas feridas, uma das quais gravemente”. (1934), Jornal do Brasil, seção Na Polícia e nas Ruas, p. 13. Disponível em http://memoria.bn.br/DocReader/030015_05/45899, consultado em 18/1/2019.
Costa, Emília Viotti da. (2015), Brasil: história, textos e contextos. São Paulo, Edusp.
Eugênio, João Kennedy. (2016), “Entre totem e tabu: o processo de Raízes do Brasil”. In: Holanda, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. Organização de Pedro Meira Monteiro e Lilia Moritz Schwarcz. São Paulo, Companhia das Letras, pp. 431-438.
Eugênio, João Kennedy. (2011), Ritmo espontâneo: organicismo em Raízes do Brasil de Sérgio Buarque de Holanda. Teresina, Edufpi.
Feldman, Luiz. (2016), Clássico por amadurecimento: estudos sobre Raízes do Brasil. Rio de Janeiro, Topbooks.
Franco, Afonso Arinos de Melo. (1981), “Entrevista”. In: Mota, Lourenço Dantes Mota (org.). A História vivida: documentos abertos. São Paulo, O Estado de São Paulo.
Furtado, André Carlos. (2014), As edições do cânone: da fase buarqueana na coleção História Geral da Civilização Brasileira (1960-1972). Rio de Janeiro, Eduff.
Gaspari, Elio. (1994), “Uma cabeça que bate contra a maré: Wanderley Guilherme dos Santos, elitista e marginal, vencedor de causas perdidas”. Revista Veja, n. 1340: 40-43.
Gay, Peter. (1978), A cultura de Weimar. Tradução de Laura Lúcia da Costa Braga. Rio de Janeiro, Paz e Terra.
Gay, Peter. (1990), O estilo na história. São Paulo, Companhia das Letras.
Gontijo, Rebeca & Franzini, Fábio. (2009), “Memória e história da historiografia no Brasil: a invenção de uma moderna tradição, anos de 1940-1960”. In: Soihet, Rachel et al. (orgs.). Mitos, projetos e práticas políticas: memória e historiografia. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira.
Gusfield, Joseph R. (1981), The culture of public problems: drinking, driving and the symbolic order. Chicago/Londres, University of Chicago Press.
Hallewell, Laurence (2017), O livro no Brasil: sua história. 2 ed. São Paulo, Edusp.
Holanda, Sérgio Buarque de. (2004), “Corpo e alma do Brasil: Entrevista de Sérgio Buarque
de Holanda”. Novos Estudos Cebrap, 69: 3-14.
Holanda, Sérgio Buarque de. (1996), O espírito e a letra: estudos de crítica literária, 1948-1959: vol. ii. Organização de Antonio Arnoni Prado. São Paulo, Companhia das Letras.
Holanda, Sérgio Buarque de. ([1936] 2016), Raízes do Brasil. Organização de Pedro Meira Monteiro e Lilia Moritz Schwarcz. São Paulo, Companhia das Letras.
Holanda, Maria Amélia Buarque de. ([1979] 2006), “Apontamentos para a cronologia de Sérgio Buarque de Holanda”. In: Holanda, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. Organização de Ricardo Benzaquen de Araújo e Lilia Moritz Schwarcz. São Paulo, Companhia das Letras, pp. 421-446.
Johnson, Randal. (1995), “A dinâmica do campo literário (1930-1945)”. Revista usp, (26): 164-181.
Kermode, Frank. (1979), “Institutional control of interpretion”. Salgamundi, 43: 72-86.
Konder, Leandro. (1991), Intelectuais brasileiros e marxismo. Belo Horizonte, Oficina de Livros.
Leão, Múcio. (1936), “Registro Literário”. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. 8.
Leite, Dante Moreira. (2002), O caráter nacional brasileiro: história de uma ideologia. 8 ed. São Paulo, Edusp.
Lima, Hermes. Notas à vida brasileira. São Paulo, Brasiliense, 1945.
Lukács, György. (2018), O jovem Hegel: e os problemas da sociedade capitalista. São Paulo, Boitempo.
Mata, Sérgio da. (2016), “Tentativas de desmitologia: a revolução conservadora em Raízes do Brasil”. Revista Brasileira de História, 36 (73): 63-87.
Matos, Júlia Silveira. (2008), “A Revolução de 1930, os intelectuais e as críticas ao personalismo: heranças da tradição do pensamento político brasileiro”. xix Encontro Regional de História – anpuhrs. Poder, violência e exclusão. São Paulo, Edusp.
Matos, Júlia Silveira. (2006), “O intelectual e a obra Raízes do Brasil: uma discussão historiográfica”. Biblos: Revista do Departamento de Biblioteconomia e História, vol. 19, pp. 151-170.
Mello e Souza, Laura de. (2014), “Prefácio: estrela de uma vida inteira”. In: Holanda, Sérgio Buarque de. Monções. São Paulo, Companhia das Letras, pp. 15-37.
Mendes, Oscar. (1937). “Raízes do Brasil”. Folha de Minas, seção A Alma dos Livros. Disponível em: pasta 61, série Produção de Terceiros, Álbum de Resenhas sobre Raízes do Brasil, preparo de Cecília Buarque de Holanda, entre 1936 e 1938. siarq/Unicamp Fundo Sérgio Buarque de Holanda. Consultado em 27/09/2018.
Monteiro, Pedro Meira. (2018), “A necessária clareza de Antonio Candido”. Revista Maracanan, 18: 13-17.
Monteiro, Pedro Meira. (2017), “Literatura contra a morte”. Disponível em https://meiramonteiro.com/literatura-contra-a-morte/, consultado em 15/2/2019.
Monteiro, Pedro Meira. (org.). (2012), Mário de Andrade e Sérgio Buarque de Holanda: Correspondência. São Paulo, Companhia das Letras/Instituto de Estudos Brasileiros; Edusp.
Monteiro, Pedro Meira & Schwarcz, Lilia Moritz. (2016), “Uma edição crítica de Raízes do Brasil: o historiador lê a si mesmo”. In: Holanda, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. Organização de Pedro Meira Monteiro e Lilia Moritz Schwarcz. São Paulo, Companhia das Letras.
Nicodemo, Thiago Lima. (2018), “Antonio Candido e Sérgio Buarque de Holanda”. Revista usp (118): 105-116. Disponível em https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i118p105-116.
Nicodemo, Thiago Lima. (2016), “Para além de um prefácio: ditadura e democracia no diálogo entre Antonio Candido e Sérgio Buarque de Holanda”. Revista Brasileira de História, 36 (73): 159-180.
Perrone-Moisés, Leyla. (1998), Altas literaturas: escolha e valor na obra crítica dos escritores modernos. São Paulo, Companhia das Letras.
Ribeiro, Douglas Carvalho. (2018), As raízes antiliberais de Sérgio Buarque de Holanda: Carl Schmitt em Raízes do Brasil. Rio de Janeiro, Lumen Juris.
Ringer, Fritz. (2002), O declínio dos mandarins alemães: a comunidade acadêmica alemã (1890-1933). São Paulo, Edusp.
Rocha, João Cezar de Castro. (2004), O exílio do homem cordial. Rio de Janeiro, Museu da República.
Rocha, João Cezar de Castro. (2012a), “Raízes do Brasil: biografia de um livro-problema”. In: Marras, Stélio (org.). Atualidade de Sérgio Buarque de Holanda. São Paulo, Edusp/Instituto de Estudos Brasileiros.
Rocha, João Cezar de Castro. (2012b), “Sérgio Buarque e Gilberto Freyre: Raízes de uma rivalidade literária”. Dicta&Contradicta, 9, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira.
Sainte-Beuve, Charles Augustin. (2013), “O que é um clássico?”. Tradução de Osvaldo Manuel Silvestre. Revista de Estudos Literários, 3: 343-358.
Sanches, Rodrigo Ruiz. (2011), “Sérgio Buarque de Holanda na usp”. Revista Sociedade e Estado, 26 (1): 241-259.
Santos, Nelson Pereira dos. (2004), Raízes do Brasil: uma cinebiografia de Sérgio Buarque de Holanda. Direção de Nelson Pereira dos Santos. Rio de Janeiro, Regina Filmes, Videofilmes, Riofilmes.
Vainfas, Ronaldo. (2010), “Posfácio”. In: Holanda, Sérgio Buarque de. Visão do Paraíso: os motivos edênicos no descobrimento e colonização do Brasil. São Paulo, Companhia das Letras, pp. 551-560.
Viotti, Emília. (2015), Brasil: história, textos e contextos. São Paulo, Edusp.
Waizbort, Leopoldo. (2007), A passagem do três ao um. São Paulo, Cosac Naify.
Waizbort, Leopoldo. (2002), “Esquema (parcial) de Antonio Candido”. Novos Estudos Cebrap,
64: 177-188.
Waizbort, Leopoldo. (2016), “Inércia e Transformação Lenta”. In: Holanda, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. Organização de Pedro Meira Monteiro e Lilia Moritz. São Paulo, Companhia das Letras.
Waizbort, Leopoldo. (2011), “O mal-entendido da democracia: Sérgio Buarque de Holanda, Raízes do Brasil, 1936”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 26 (76): 39-62.
Žižek, Slavoj. (2012), Vivendo no fim dos tempos. São Paulo, Boitempo
Publicado
2020-08-05
Como Citar
Madureira Maia, V., & Marques Rodrigues, K. (2020). Elementar: Antonio Candido, inventor do inventivo Sérgio Buarque de Holanda. Tempo Social, 32(2), 55-78. https://doi.org/10.11606/0103-2070.ts.2020.165804
Seção
Dossiê - Trajetórias de consagração cultural: entre a autonomia e a heteronomia