Revista Alterjor https://www.journals.usp.br/alterjor <p>A revista Alterjor é uma publicação semestral do Grupo de Pesquisas Alterjor (ECA/USP), que tem como foco o jornalismo popular e alternativo. O primeiro termo se define pelas práticas jornalísticas realizadas em organizações do movimento social e popular, incluindo o chamado Terceiro Setor, que tenham, como objetivos centrais, o fortalecimento institucional de tais organizações e a socialização de temáticas que envolvam a defesa da cidadania e que defendam o protagonismo de segmentos sociais não hegemônicos. Já o jornalismo alternativo se conduz pelas experiências de jornalismo nas diversas mídias que tenham, como objetivo central, fomentar o debate público sobre as mesmas temáticas delimitadas na definição de jornalismo popular. Com isso, Alterjor convida o leitor a pensar sobre a viabilidade da democratização da comunicação para todos os segmentos da sociedade.</p> Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes pt-BR Revista Alterjor 2176-1507 <p>Os trabalhos publicados na Revista Alterjor têm como modelo da licença de no padrão Creative Commons, com obrigação da atribuição do(s) autor(es), proibição de derivação de qualquer material publicado e comercialização. Ao concordar com os termos, o(s) autor(es) cedem os direitos autorais à Revista Alterjor, não podendo ter licenciamento alterado ou revertido de maneira diferente do Creative Commons (by-nc-nd). Informações adicionais em: <a href="http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0" target="_blank" rel="noopener">creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0</a></p> Arte, consumo e sustentabilidade https://www.journals.usp.br/alterjor/article/view/172602 <div class="page" title="Page 1"> <div class="layoutArea"> <div class="column"> <p><span style="font-size: 12.000000pt; font-family: 'Times New Roman'; color: rgb(34.500000%, 34.500000%, 34.500000%);">Este texto aborda a Instalação XXX_ [Projeto de Exposição], do artista Wilton Garcia, realizado na Caixa Cultural São Paulo, no período de 25 de janeiro a 22 de março de 2020. O trabalho tem o objetivo de buscar assinalar a presença como visitante desta exposição ao examinar a relação entre arte, consumo e meio ambiente na atualidade. Trata-se de uma proposta criativa, a qual envolve experimentações poéticas. </span></p> </div> </div> </div> Carlos A. Tavares Junior ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2020-07-20 2020-07-20 22 2 427 432 10.11606/issn.2176-1507.v22i2p427-432 Youtubers indígenas no Brasil https://www.journals.usp.br/alterjor/article/view/170506 <p>Os povos indígenas passaram a utilizar os meios de comunicação digitais como ferramentas de afirmação de suas identidades, de resistência e de posicionamento político. Este artigo apresenta uma discussão sobre o ativismo indígena no <em>YouTube</em>. Do ponto de vista metodológico, o estudo tem por base a pesquisa bibliográfica e exploratória. O referencial teórico perpassa por Hall, Bauman e Eagleton sobre a questão das identidades culturais e Araújo, Di Felice e Braighi &nbsp;sobre os conceitos de ciberativismo, net-ativismo e midiativismo. Foram realizados um mapeamento da presença indígena no You Tube e uma análise dos canais dos &nbsp;<em>youtubers</em> indígenas Ysani Kalapalo e Cristian Wariu. Com posicionamentos políticos e abordagens comunicativas totalmente diversas, os dois <em>youtubers</em> surgem como importantes influenciadores digitais no Brasil contemporâneo</p> Rose Mara Vidal de Souza Mônica Panis Kaseker ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2020-07-06 2020-07-06 22 2 298 316 10.11606/issn.2176-1507.v22i2p298-316 O arquivamento e a disponibilização do documentário audiovisual universitário: https://www.journals.usp.br/alterjor/article/view/165539 <p>Busca-se compreender como os processos de aprendizado estão para além das etapas de produção e pós-produção documentária audiovisual universitária. Dessa forma, identifica-se como o arquivamento, disponibilização e consumo estão presentes nesse processo e diálogo com os ambientes digitais de informação. Uma vez que esses lugares funcionam enquanto ambientes memorialísticos para a salvaguarda e consumo audiovisual.</p> Paulo Eduardo Silva Lins Cajazeira ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2020-07-06 2020-07-06 22 2 256 279 10.11606/issn.2176-1507.v22i2p256-279 A produção de sentidos sobre o Vale do Jequitinhonha pela TV Praça https://www.journals.usp.br/alterjor/article/view/169942 <p>A pesquisa investiga como os agentes produtores de conteúdo comunitário da TV Praça, uma produção audiovisual realizada por jovens participantes da Assessoria de Comunicação Colaborativa Itaobim 50 anos, projeto Polo Jequitinhonha (UFMG), constroem sentidos sobre o Vale do Jequitinhonha. São analisadas duas edições da TV Praça e suas condições de produção de sentidos, utilizando-se de um aparato teórico-metodológico da Análise de Discurso, por uma perspectiva da sóciossemiótica. Assim, é levado em consideração as condições de produção e o potencial político da comunicação comunitária, realizada por grupos vistos como subalternos na sociedade. A partir dessas discussões, é possível concluir que quando esses grupos se tornam produtores de conteúdo, construindo sentidos sobre si mesmos, eles conseguem ressignificar estereótipos muitas vezes criados pelos meios de comunicação tradicionais.</p> Ivanise Hilbig de Andrade Elainy Carmona Pereira ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2020-07-06 2020-07-06 22 2 145 162 10.11606/issn.2176-1507.v22i2p145-162 Políticas de comunicação, práticas comunicacionais e ações de resistência: https://www.journals.usp.br/alterjor/article/view/170859 <p>O estudo faz uma reflexão sobre as políticas de comunicação no Brasil, analisando como se estabeleceu esse cenário que tem se configurado em um jogo político e pouco democrático. O descompasso comunicacional tem interferido na produção, acesso e disseminação de mensagens que apresentem a pluralidade cultural brasileira. Observa-se uma ausência de investimentos, legislações e descaso público ao gerir estratégias que minimize lacunas das áreas de comunicação e mídia no Brasil. O cenário se caracteriza pela falta de espaços que promovam à diversidade cultural de sujeitos e sociedades, enquanto comunidades tentam amenizar essa realidade produzindo conteúdos em espaços virtuais minimizando essa falta de representatividade com o intuito de (re)construir uma sociedade culturalmente mais plural e democrática.</p> <p><strong>&nbsp;</strong></p> <p>&nbsp;</p> Joao Eudes Portela de Sousa ##submission.copyrightStatement## http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2020-07-06 2020-07-06 22 2 163 179 10.11606/issn.2176-1507.v22i2p163-179